Mágino Alves: Curto-circuito no 5º andar iniciou incêndio no prédio do Largo do Paissandu

  • Por Jovem Pan
  • 03/05/2018 18h15
Rovena Rosa/Agência Brasil"Sempre trabalhamos com a hipótese de um acidente doméstico e, inicialmente, suspeitamos que teria ocorrido uma explosão de uma panela de pressão. Na verdade, o que ocorreu foi esse curto", confirmou Mágino

Na tarde desta quinta-feira (3), a Polícia Civil, juntamente com o Corpo de Bombeiros, conseguiu chegar a uma conclusão sobre as causas do incêndio que culminaram no desmoronamento do Edifício Wilton Paes, no Largo do Paissandu, na região central de São Paulo. Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, o Secretário de Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves, confirmou que um curto-circuito em uma tomada localizada no quinto andar do prédio foi o estopim do incidente.

“Já conseguimos apurar que o incêndio teve início no quinto pavimento do prédio, em um dos cômodos que abrigavam uma família de quatro pessoas. A causa foi um curto-circuito em uma tomada onde estavam ligados uma TV, um microondas e uma geladeira. Infelizmente, existiam várias ligações irregulares no prédio. Sempre trabalhamos com a hipótese de um acidente doméstico e, inicialmente, suspeitamos que teria ocorrido uma explosão de uma panela de pressão. Na verdade, o que ocorreu foi esse curto”, confirmou Mágino.

Ao todo, duas pessoas da família que morava no cômodo em que o incêndio se iniciou tiveram lesões. O pai, Pedro Lucas de Sampaio Viana Ribeiro, de 32 anos, sofreu queimaduras e foi encaminhado para a Santa Casa em estado estável, enquanto uma de suas filhas, de apenas 3 anos, foi encaminhada para o Hospital das Clínicas em estado gravíssimo. A mãe, Walkiria Camargo do Nascimento, e um bebê de apenas 10 meses conseguiram fugir do local.

 

Agora, com a conclusão da investigação sobre as causas do acidente, o secretário disse que os esforços devem ser focados no inquérito sobre as associações que estariam extorquindo os moradores das ocupações em São Paulo.

“Eu determinei ao DEIC que apurasse, em um inquérito separado, essas supostas associações, que na verdade, tudo indica, exploram os moradores dessas ocupações. Vamos investigar essas supostas explorações, não os movimentos que promovem as ocupações. São coisas diferentes. Queremos saber de que forma eles atuam, não só nesse prédio que desabou, mas também em outras ocupações. Em princípio, estamos supondo que há uma certa exploração dessas pessoas que vivem em subcondições, como a gente já constatou, e essa tragédia é prova disso”, afirmou o secretário.

Por fim, Mágino tratou de outros dois temas que já haviam sido abordados pelas autoridades nesta quinta: a possibilidade de queda de mais um prédio na região do Largo do Paissandu e as chances de encontrar vítimas com vida nos escombros. Segundo ele, o Corpo de Bombeiros apurou que houve uma ligeira movimentação em um edifício que fica em frente ao Wilton Paes, mas que ainda será decidido qual será a ação a ser tomada.

Já sobre as buscas, ele garantiu que os bombeiros seguem tomando o máximo de cuidado na realização de trabalhos na região do incidente, mas que as chances de um desfecho positivo acontecer são pequenas.