Maia diz que Moro está ‘confundindo as bolas’ e que pacote anticrime é ‘copia e cola’ de outro projeto

  • Por Jovem Pan
  • 20/03/2019 21h36
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDOMoro cobrou Maia sobre tramitação de pacote anticrime

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusou o ministro da Justiça, Sérgio Moro, de desrespeitar um acordo feito com o presidente Jair Bolsonaro. Cobrado publicamente pelo ex-juiz a colocar em discussão o pacote anticrime apresentado mês passado, Maia o desautorizou e o acusou de “copiar” outro projeto que já tramita na Casa.

“Moro está desrespeitando acordo meu com o governo. Nosso acordo é priorizar a reforma da Previdência. Espero que ele entenda que hoje ele é ministro de Estado. Ele está abaixo do presidente. Eu já disse a ele que esse projeto [pacote anticrime] vai ser posterior à Previdência”, afirmou o parlamentar nesta quarta-feira (20).

Mais cedo, Moro participou do lançamento da Frente Parlamentar da Segurança, a bancada da bala, e disse que conversaria com o presidente da Câmara para que reavaliasse a decisão de criar um grupo para discutir a sua proposta por 90 dias antes de enviá-lo a uma comissão da Casa. A medida foi vista como forma de “travar” a tramitação do projeto. “Vou conversar respeitosamente com o presidente da Casa [Rodrigo Maia]”, disse Moro.

“Funcionário do presidente Bolsonaro?”, reagiu Maia ao ser questionado se havia conversado com Moro sobre o tema. “Conversa com o presidente Bolsonaro e se o presidente Bolsonaro quiser, conversa comigo. Eu fiz aquilo que acho correto. O projeto é importante. Aliás, ele está copiando projeto do ministro Alexandre de Morais, copia e cola. Então tem poucas novidades no projeto dele”, declarou o parlamentar à imprensa.

A afirmação de Maia é uma referência a outra proposta discutida ano passado por comissão de juristas presidida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Questionado se estava irritado com a declaração, Maia criticou Moro. “Não estou irritado, mas acho que ele conhece pouco a política. Ele está confundido as bolas. Ele não é presidente da República. Não foi eleito para isso. Tá ficando uma situação ruim para ele”, afirmou.

*Com informações do Estadão Conteúdo