Maia ironiza recriação da CPMF: ‘Daqui a pouco vão dar nome em inglês’

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse ser contrário ao imposto proposto pelo governo Bolsonaro e declarou voto contra

  • Por Jovem Pan
  • 30/07/2020 16h08
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoRodrigo Maia é o atual presidente da Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ironizou a recriação da CPMF e afirmou que o governo deve dar um nome em inglês ao tributo para tentar “enrolar a sociedade”. Ele ainda reconheceu que o debate em torno da reforma tributária é importante e defendeu a desoneração da folha de pagamento. “Não será aumentando mais impostos que vamos resolver nossos problemas”, disse.

Maia participu de um seminário virtual com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira (30). O parlamentar criticou as discussões envolvendo a recriação do tributo durante sua fala no evento. “Minha crítica não é se é CPMF, se é microimposto digital, se é um nome inglês para o imposto para ficar bonito, para tentar enrolar a sociedade. Minha tese é a seguinte: nós vamos voltar à mesma equação que foi de 1996 a 2004, 9% de aumento da carga tributária”, disse. Defendendo um “amplo debate” em torno do tema, Maia disse ser contrário a criação de qualquer imposto. “Esse aí, então, que a gente sabe que é cumulativo, que é regressivo, que faz a economia parar de crescer, esse eu sou contra também no mérito”, afirmou.

‘CPMF Repaginada’

Maia ainda afirmou que vai tentar influenciar os demais parlamentares para votarem contra a proposta do governo. “Eu não quero discutir a qualidade do imposto, estamos numa discussão de se o presidente vai mandar a proposta. Eu estou dando a minha opinião: não vai passar. Eu sou um voto, e PEC eu voto e vou votar contra. Eu jogo muito transparente na política. Aqueles poucos que influencio, vou tentar influenciar para votar contra. A sociedade não quer mais impostos”, disse o presidente da Câmara.