Maioria defende prisão após 2ª instância, diz Datafolha

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2018 09h42 - Atualizado em 17/04/2018 09h44
EFE/Gustavo GranataA prisão de Lula foi decretada com base no entendimento do Supremo de que não é preciso esperar o esgotamento de todos os recursos para começar a cumprir a pena condenatória

Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira (17) mostra que a maioria dos brasileiros considera justo que um acusado comece a cumprir a pena após ser condenado em duas instâncias.

O estudo mostra que 57% dos entrevistados são a favor da tese, enquanto 36% dos entrevistados defendem que a pessoa só comece a cumprir pena depois de esgotados todos os recursos aos tribunais superiores (STF e STJ). Seis por cento não souberam responder.

O Supremo Tribunal Federal entende atualmente que é possível a execução da pena em 2ª instância. Com base neste entendimento foi negado “habeas corpus” preventivo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso no último dia 7.

Entre os eleitores do PT, os números se invertem e 57% são contra a prisão em 2º grau condenatório.

O apoio à medida judicial que permite a prisão mais célere é maior nas regiões sul, sudeste e centro-oeste.

O Datafolha ouviu 4,2 mil pessoas em 227 cidades entre 11 e 13 de abril e a margem de erro é de 2% para mais ou para menos.