Major Olímpio: ‘Minha maior glória é ter arrebentado o Geraldo Alckmin’

  • Por Jovem Pan
  • 22/11/2018 14h49 - Atualizado em 22/11/2018 14h50
Jovem PanMajor Olímpio foi o convidado do Pânico desta quinta-feira (22)

O senador eleito por São Paulo Major Olímpio comemorou ter vencido as eleições deste ano, enquanto o ex-governador do estado, Geraldo Alckmin, perdeu a disputa pela presidência. “Minha maior glória é ter arrebentado o Geraldo Alckmin, o maior carrasco da segurança pública”, afirmou em entrevista ao Pânico, nesta quinta-feira (22).

O militar criticou a atuação de Alckmin contra o crime e disse que os dados divulgados pelo governo paulista em relação a homicídios são maquiados. “Aqui em São Paulo não se registra como homicídio a lesão corporal seguida de morte e o latrocínio”, explicou. Ele também falou que poucos casos de homicídios são resolvidos e lamentou o fato de que crimes em flagrante entram para a conta daqueles que foram solucionados. “Toda vez que comemoramos um flagrante, nós falhamos, porque o crime já aconteceu”, disse.

Ainda criticando o governo paulista, Major Olímpio falou sobre não apoiar o governador eleito, João Doria, no segundo turno das eleições estaduais. “O PSDB ficou 24 anos enterrando um policial por semana, eu não abraço o meu carrasco”, explicou. “Eu estava na ativa em 2006 quando tiveram os ataques do PCC e fui o cara que saiu afirmando que houve um acordo de governo para cessar as agressões. O estado está dobrado ao PCC até hoje”, acusou o major.

Desavenças e futuro com Bolsonaro

Pelos próximos oito anos, o Major Olímpio será um dos representantes do PSL, partido de Jair Bolsonaro, no Senado. Na Câmara, o partido do presidente eleito deverá ter a maior bancada, mas recheada de deputados que estarão no primeiro mandato de suas vidas. Por isso, o futuro senador disse que a sigla está empenhada em preparar ao máximo esses novos parlamentares, principalmente em relação ao regimento da Câmara. “Quem domina o regimento aprende a dominar aquela Casa”, afirmou.

Por ser a base de Bolsonaro, Olímpio acredita que os membros do PSL estarão em destaque na Câmara e, por isso, não podem errar. “Ninguém vai ter tempo de ser calouro”, alertou.

A união do partido é clara, mas, durante as eleições, o militar se desentendeu com outro grande nome da sigla, a futura deputada federal Joice Hasselmann. Ele explicou que a briga não foi nada de mais. “Existem desavenças em partidos, não é necessário que todo mundo concorde em tudo. Houve desacertos [entre ele e Joice], o que acabou ganhando a mídia e fazendo uma confusão maior do que foi”, afirmou.

A confusão se deu porque Joice teria feito o lançamento de sua candidatura ao governo de São Paulo sem ter sido aprovada pela comissão do PSL, da qual Major Olímpio faz parte. “Eu disse que aquilo não tinha validade porque não foi aprovado pelo partido”, explicou. “Criou-se um ruído grande em relação a isso, dizendo que eu estava sendo preconceituoso”, continuou o senador, deixando claro que já está tudo acertado entre eles.