Marginais registraram três mortes a mais em cinco meses de velocidade aumentada

  • Por Jovem Pan
  • 09/08/2017 13h32 - Atualizado em 09/08/2017 13h42
Movimentação na Marginal Pinheiros, na altura da raia olímpica da USP

Nesta quarta (9) o Tribunal de Justiça de São Paulo manteve o aumento da velocidade máxima nas marginais Tietê e Pinheiros, política implementada em 25 de janeiro pelo prefeito João Doria, promessa de campanha.

Cicloativistas pediam a revogação do aumento e a volta às velocidades anteriores, reduzidas pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) sob o argumento de que diminuir o limite nas vias faria cair o número de acidentes e mortes.

Como dados das duas gestões são conflitantes (veja mais ao final do texto), a Jovem Pan Online utilizou o mapa do Infosiga, levantamento do governo estadual, para comparar os óbitos em acidentes dos cinco primeiros meses com o aumento de velocidade (fevereiro a junho de 2017) com os cinco meses finais da gestão Haddad (agosto a dezembro de 2016). Janeiro, que teve as duas situações e não contou com nenhuma morte nas vias, segundo o mapa, foi desconsiderado.

Em seus relatórios, o Infosiga não especifica as vias em que ocorreram os acidentes fatais, então a contabilidade se deu de forma manual a partir do mapa do próprio sistema onde as ocorrências são apontadas. O mapa só conta com dados (especificando onde as mortes se deram) a partir de agosto do ano passado.

Houve um crescimento de três mortes na comparação, que representam 23% de aumento.

De fevereiro a junho de 2017, morreram 16 pessoas nas marginais (7 na Pinheiros e 9 na Tietê). De agosto a dezembro do ano anterior, foram 13 óbitos (6 na Pinheiros, 7 na Tietê). A maioria dos acidentes é de colisão de motos.

Veja mais detalhes:

Mortes em acidentes nas marginais:

Agosto a dezembro de 2016 – total: 13

Pinheiros – 6
Moto: 3
Pedestre: 3
Jovem (18 – 24 anos): 1
Idoso: 1

Tietê – 7
Moto: – 6
Carro: – 1
Jovens (18 – 24 anos): – 3

Fevereiro a junho de 2017 – total: 16

Pinheiros – 7
Moto: 6
Carro: 1
Menor de 17: 1 (menina vítima de colisão de carro)

Tietê – 9
Moto: 6
Carro: 1
Pedestre: 2
Jovens (18 – 24 anos): 2
Idosos: 2

Ainda não foram divulgados dados de julho pela Infosiga.

Conflitos de dados

Em outubro do ano passado, durante a campanha eleitoral e a gestão Fernando Haddad, a Prefeitura divulgou dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) que apontavam que, de julho de 2015 a junho de 2016, foram contabilizadas 31 mortes nas Marginais. Na época, a CET disse que os acidentes com mortes nas marginais diminuíram 52% em 12 meses (em relação ao segundo semestre de 2015 e primeiro de 2016).

Ao aprovar o aumento das velocidades em janeiro, a própria CET, já na gestão Doria, divulgou outro número para 2015 (15 mortes, em vez de 45 divulgados por Haddad), desqualificando a redução de casos de seu antecessor.

Já segundo os relatórios do Infosiga, o número de mortes no trânsito na capital paulista de janeiro a junho deste ano aumentou 1,2% em relação ao mesmo período de 2016. Foram 482 óbitos no período em 2017, frente a 476 casos no ano passado. Entre os ciclistas, o aumento foi maior, de 75% – 21 mortes de janeiro a junho deste ano contra 12 no mesmo período anterior. A CET e a Prefeitura de João Doria contestam os números.