Marinha confirma dois vazamentos em navio que está afundando na costa do Maranhão

A embarcação que tinha como destino a China carrega 300 mil toneladas de minério da Vale e encontra-se encalhada deste segunda-feira (24). A Marinha não informa o que teria vazado, nem a quantidade

  • Por Jovem Pan
  • 26/02/2020 21h54
Rik Van Marle / Marinetraffic.comEmbarcação carrega 300 mil toneladas de minério da Vale e encontra-se encalhada desde segunda-feira (24)

A Marinha confirmou que o navio MV Stella Banner, que carrega 300 mil toneladas de minério da Vale, teve dois vazamentos em sua estrutura. Não foi informado, porém, o que teria vazado no mar, nem a quantidade. Especialistas em meio ambiente afirmam que o vazamento pode causar um desastre à fauna marinha.

O navio MV Stella Banner adernou a cerca de 100 quilômetros do porto de Itaqui, no Maranhão, de onde saiu, com destino ao porto de Qingdao, na China, onde era esperado para chegar no dia 4 de abril.

Segundo a Marinha, “no momento o navio se encontra encalhado”, devido a uma manobra feita por seu capitão. Por meio de nota, a Marinha declarou que as causas do acidente ainda não foram identificadas e que problema ocorreu às 21h30 desta segunda-feira (24).

“Quatro rebocadores se deslocaram em direção ao navio para coletar mais informações e prestar apoio, caso necessário”, informou a Marinha. “A tripulação permanece em segurança na área à bordo dos rebocadores enviados.”

“A Marinha instaurou um inquérito administrativo para apurar causas, circunstâncias e responsabilidades do incidente”, informou o Comando do 4º Distrito Naval da Capitania dos Portos do Maranhão.

Uma reunião já foi realizada com a presença de representantes da Vale, da autoridade portuária, do agente marítimo e mais dois membros da empresa Ardent Global. Um rebocador para conter danos ambientais foi enviado pela Vale.

Segundo informações divulgadas pela mineradora, a embarcação é de propriedade e operada pela empresa sul-coreana Polaris. Como operadora portuária, a Vale está atuando com suporte técnico-operacional, com o envio de rebocadores, e colaborando com as autoridades marítimas.

*Com informações do Estadão Conteúdo