MBL convoca ato “em defesa da Lava Jato” no Masp e Kim prega não-violência

  • Por Jovem Pan
  • 04/03/2016 13h23
Ele espera público menorKim Kataguiri

O Movimento Brasil Livre (MBL), um dos que defendem o impeachment da presidente Dilma Rousseff, convocou para a tarde desta sexta (04) uma manifestação “em defesa da Lava Jato”.

O ato marcado há pouco ocorre no mesmo dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi levado pela Polícia Federal em condução coercitiva para prestar depoimento sobre suspeitas de recebimentos de favores de empreiteiras, que chegariam a R$ 30 milhões a sua empresa de palestras e ao Isntituto Lula, no âmbito da Operação Lava Jato.

O líder do MBL, Kim Kataguiri, disse em entrevista à Jovem Pan que este é o “momento político ideal” para a manifestação. Ele citou a prisão de João Santana, marqueteiro do PT, o vazamento da delação de Delcídio do Amaral e a condução coercitiva de Lula.

Kim também pregou a não-violência para os próximos atos dos movimentos anti-PT. O líder do MBL prometeu evitar o confronto com os defensores do governo. “A gente não pretende ir de encontro a eles, cair em nenhumm tipo de provocação ou incorrer em nenhuma prática de violência”, afirmou Kataguiri, que disse estar em contato com a polícia para ajudar a evitar o clima de “tensão”.

Manifestantes em favor e contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva brigam em São Bernardo (Agência Estado)

Com uma descrição curta (“todos nas ruas hoje para apoiar a Lava Jato e a Justiça! Fora PT! Lula na cadeia!”, tudo em caps lock), o banner do evento também chama para o “grande ato” marcado pelo MBL ao lado do Vem Pra Rua no próximo dia 13, daqui a dois domingos.

Em pelo menos três pontos da Grande São Paulo houve confusão e confronto entre apoiadores do ex-presidente (frente ao aeroporto de Congonhas, onde Lula prestou depoimento, frente ao apartamento do ex-presidente Lula em São Bernardo, e no Insituto Lula, no Ipiranga).

Kataguiri acusou os defensores de Lula de tentar “amedrontar a população utilizando essa violência” e “tentar esvaziar a manifestação do dia 13”. O jovem líder do MBL espera que a manifestação do domingo (13) supere o maior ato antigoverno em 15 de março de 2015, quando, segundo a Polícia Militar, mais de um milhão de pessoas compareceram à Avenida Paulista (210 mil segundo o Datafolha)

Para a tarde, está programado em frente ao Insituto Lula, no Ipiranga, zona sul de São Paulo, um ato de movimentos sociais a favor de Lula.