Ministério da Educação anuncia saída do Mercosul

  • Por Jovem Pan
  • 29/11/2019 15h15 - Atualizado em 29/11/2019 15h16
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoDecisão foi motivada pela "falta de eficiência e resultados práticos que impactassem positivamente na melhoria de índices gerais da Educação"

O Ministério da Educação (MEC) anunciou nesta sexta-feira (29) o início do processo de transição para a saída do Setor Educacional do Mercosul. De acordo com o ministro Abraham Weintraub, a decisão foi motivada pela “falta de eficiência e resultados práticos que impactassem positivamente na melhoria de índices gerais da Educação” ao longo dos 28 anos que o Brasil fez parte.

A pasta informou que todas as parcerias iniciadas serão mantidas sem prejuízo às partes como, por exemplo, o reconhecimento da equivalência dos estudos no âmbito da educação básica de alunos que estudam fora do país e que são pertencentes ao bloco, assim como o sistema de acreditação de cursos de graduação do Mercosul (ARCU-SUL). Os bolsistas também terão o benefício mantido.

A partir de agora, o Brasil deixa de participar das reuniões do bloco e passa a ter relações e acordos bilaterais na área. Os demais países que hoje compõem o Mercosul foram comunicados oficialmente sobre a decisão nesta sexta-feira (29) por Weintraub, em reunião da Educação do Mercosul na sede da pasta, em Brasília (DF).

Somente o ministro brasileiro e o do Paraguai, Eduardo Petta San Martín, compareceram ao encontro. A Argentina enviou apenas um representante e o Uruguai não esteve presente.

O governo brasileiro ressaltou que não está rompendo relações com os países vizinhos. “O diálogo permanece e futuros acordos, que tragam entregas efetivas, poderão ser firmados bilateralmente como por exemplo a implementação do bilinguismo nas escolas”, afirmou em nota.