Sem fé em Deus, jovens se tornam ‘zumbis existenciais’, diz ministro da Educação

Milton Ribeiro é pastor presbiteriano e vê doenças mentais ligadas à ‘desconstrução deliberada de tudo’

  • Por Jovem Pan
  • 10/09/2020 19h03 - Atualizado em 11/09/2020 08h27
Isac Nóbrega/PRMilton Ribeiro, ministro da Educação

Durante um evento no Palácio do Planalto nessa quinta-feira, 10, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que jovens se tornaram “zumbis existenciais” ao não acreditarem mais em Deus e também na política. No Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio, o governo lançou um projeto de educação em saúde para tratar da prevenção do suicídio e da automutilação, da gravidez na adolescência, do consumo de drogas, além do combate à violência contra populações vulneráveis. A ideia é promover cursos a distância, além de palestras, para professores de escolas públicas e privadas, líderes religiosos, profissionais de conselhos tutelares e movimentos sociais que lidam com crianças e adolescentes. O governo não divulgou o orçamento para estas ações.

Ribeiro relacionou o aumento de doenças mentais à ‘desconstrução deliberada de tudo, sem colocar nada no lugar’. “Não há mais juventude que acredite nas coisas como Deus, política, religião e família. Perdem referencial”, disse ele, que é professor universitário e pastor presbiteriano. “Temos hoje no Brasil, motivados, creio eu, por essa quebra de absolutos e certezas, verdadeiros zumbis existenciais. Não acreditam mais em nada, desde Deus e política, não tem mais nenhuma motivação”, disse.

Segundo o ministro, essa ‘desconstrução’ foi feita de forma deliberada. Ao criticar livros didáticos distribuídos por gestões passadas do MEC, o ministro disse que alguns “valores” não devem ser tratados “na infância ou adolescência”. “Os alunos mal sabiam ler e compreender o que liam. Como ter espírito crítico se não dispõe de ferramenta mínima para dispor dessas opiniões”. No lançamento do projeto, houve críticas à discussão do Congresso para liberar o plantio de cannabis no Brasil para produzir remédios.

“Abre o olho, tem uma galera aí querendo liberar maconha. O senhor sabe que desencadeia suicídio. Abre o olho no Congresso Nacional. Tá dado o recado”, disse a ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves a deputados que acompanhavam o evento. Outro ponto atacado foi a interrupção da gravidez. Vídeo institucional do programa afirma que muitas mães crianças ou adolescentes recorrem ao aborto, “tirando a vida de outro ser e pondo a própria vida em risco”. “Quando você fala de aborto, o álcool e a droga estão por trás”, disse o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva, ao também criticar o projeto de lei sobre o plantio da maconha.

O aborto é permitido em três situações no Brasil: quando a gravidez é resultado de violência sexual, se não há outro meio de salvar a vida da gestante e em casos de fetos com anencefalia No fim de agosto, o Ministério da Saúde alterou uma regra para obrigar médicos e profissionais de saúde a notificarem a polícia sobre atendimento a vítimas de estupro que planejem um aborto legal. A medida foi criticada pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

*Com Estadão Conteúdo