Ministro da Fazenda: Não faltarão recursos para combate ao zika

  • Por Agência Estado
  • 13/02/2016 13h03
BRA03. BRASILIA (BRASIL), 21/12/15.- La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, saluda al nuevo ministro de Hacienda de Brasil, Nelson Barbosa, hoy, lunes 21 de diciembre de 2015, en la ceremonia de toma de posesión del nuevo ministro en el Palacio del Planalto, Brasilia, Brasil. Rousseff afirmó hoy que la renuncia de Joaquim Levy al Ministerio de Hacienda "no altera la meta de recuperar el equilibrio fiscal", con la que está "totalmente comprometido" el nuevo ministro, Barbosa. EFE/ Adriano MachadoMinistro da Fazenda Nelson Barbosa cumprimenta com beijo presidente Dilma Rousseff

Em um momento de aperto fiscal e incerteza sobre cortes no Orçamento federal, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou há pouco que o combate ao zika vírus é uma prioridade nacional e que não faltarão recursos para ações de prevenção, informação e tratamento dos atingidos.

O ministro esteve em Belo Horizonte na manhã deste sábado como parte de uma campanha promovida pelo governo. Segundo ele, os números do Orçamento de 2016, que devem trazer cortes de despesas e detalhar o volume de recursos disponível para esse trabalho do Ministério da Saúde, serão anunciados nos próximos dias. “Nós vamos cortar em outras coisas, vamos preservar os recursos necessários para combater essas doenças”, ressaltou.

Após se negar a tecer comentários sobre o cenário econômico, Barbosa afirmou que o governo trabalha em três frentes de combate ao problema de saúde pública: parcerias com organismos internacionais para o desenvolvimento de uma vacina contra o zika vírus, combate à reprodução do mosquito Aedes aegypti e assistência às pessoas afetadas pela doença.

“Estamos avaliando exatamente o orçamento deste ano. Os recursos para combater a epidemia, combater a dengue, combater a zika, a chikungunya estão preservados no Orçamento”, reafirmou.

Ao lado do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, e do secretário de Governo de Minas Gerais, Odair Cunha, Barbosa visitou um posto de saúde e três casas consideradas bons exemplos de prevenção na região leste da capital mineira. Em Belo Horizonte, não houve registro de casos do zika vírus, mas 2 383 pessoas foram confirmadas com dengue somente neste ano.