Ministro da saúde afasta possibilidade de falta de recursos por causa de PEC

  • Por Jovem Pan
  • 08/10/2016 09h32
Brasília - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, concede sua primeira entrevista coletiva à imprensa sobre assuntos relacionados à pasta (Wilson Dias/Agência Brasil)Ministro da Saúde

O ministro da saúde afastou a possibilidade de falta de recursos para a área por causa da PEC do Teto de Gastos, mas alertou que outras pastas do governo vão ter “que se acomodar”. Ricardo Barros deu a declaração na manhã da última sexta-feira  durante palestra num evento voltado a empresários e associações do setor médico num hotel na Zona Oeste de São Paulo.

Ele fez questão de mencionar inclusive que a bancada da sáude no Congresso Nacional é forte e que ela também vai garantir que não haverá perda de recursos. O ministro afirmou que a PEC 241 estabelece um teto global de gastos, com previdência, saúde e educação como prioridades.

Apesar das palavras de Barros, um dos principais questionamentos em torno da proposta no Congresso gira em torno de como a pasta vai manter o nível de investimento. O economista e professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, Áquilas Mendes, argumentou que a PEC 241 vai alterar uma emenda constitucional anterior e que o gasto em saúde tende a cair.

Ricardo Barros disse ainda que o governo tem revisto vários contratos do Ministério da Saúde para realizar uma economia de mais de R$ 1,5 bilhão na pasta.

No fim da apresentação, o ministro admitiu que o SUS trabalha com uma dívida de mais de R$ 4 bilhões com estados, municípios e operadoras de planos por procedimentos realizados.

Confira no áudio acima a matéria completa do repórter Tiago Muniz.