Ministro do Meio Ambiente segue recomendação de Bolsonaro e coloca militares em postos de comando

  • Por Jovem Pan
  • 19/04/2019 16h18 - Atualizado em 20/04/2019 10h03
José Cruz/Agência BrasilMedida segue recomendação de Bolsonaro de acabar com "arcabouço ideológico" na área do Meio Ambiente

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, decidiu trocar o comando de áreas-chave do ministério. A diretoria do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (IMCBio) agora estão sob a tutela de oficais das Forças Armadas e da Polícia Militar, medida que segue a recomendação do presidente Bolsonaro para dar fim ao “arcabouço ideológico” no setor.

Na quinta-feira, 18, Salles exonerou o diretor de planejamento do Ibama, Luiz Eduardo Nunes, servidor de carreira do órgão federal. O posto deve ser ocupado por Luis Gustavo Biagioni, recém-aposentado da PM de São Paulo, onde trabalhou na polícia ambiental como major e tenente-coronel.

Na quarta-feira, 17, foi confirmada a indicação do comandante da PM Ambiental de São Paulo, coronel Homero de Giorge Cerqueira, para ser o presidente do ICMBio. Um dia antes, ele nomeara Davi de Souza Silva, também de formação militar, para a regional do Ibama em São Paulo.

Cada troca é informada a Bolsonaro. Já são 12 militares no alto escalão do Ministério do Meio Ambiente.

Na quinta, 18, o presidente voltou a criticar o Ibama e uma multa que o órgão aplicou a índios que produzem soja transgênica em Mato Grosso.

“Multados pelo Ibama em R$ 120 milhões. Já sabem o que vamos fazer com essa multa, né?” disse o presidente, sinalizando que pedirá sua anulação.

Bolsonaro afirmou que o Ibama “é um órgão muito mais aparelhado do que o Ministério da Educação”. Na quarta, ele tinha dito que, “com o Salles, tomamos providências para substituir esse tipo de gente”.

O gabinete do ministro passou a contar com oito militares em cargos comissionados, oficiais que despacham ao lado da sala de Salles. Os cargos envolvem desde a chefia de gabinete até a ouvidoria e comunicação institucional da pasta. Na sede do Ibama, duas diretorias já são comandadas por militares.

As superintendências estaduais do órgão também serão ocupadas por militares. A nomeação de um militar para comandar o Ibama em São Paulo é só a primeira de muitas trocas por vir. Uma fonte do governo disse que Salles e Bolsonaro têm convicção de que há corrupção nos órgãos ligados à pasta. Por isso, querem um “controle mais rígido” das operações, além do afastamento de servidores que atuaram nos governos petistas.

“Eu conversei com o Salles. Ele vai aproveitar oficiais da Polícia Ambiental, que conheceu quando era secretário do Meio Ambiental de São Paulo”, disse o senador Major Olímpio (PSL-SP).

Paralelamente, o governo discute a possibilidade de fusão do Ibama e do ICMBio, o que poderia ocorrer no segundo semestre. Salles evita dar detalhes sobre o assunto, limitando-se a dizer que, “por enquanto”, não haverá a integração. O Ibama fiscaliza e protege o meio ambiente e licencia empreendimentos, enquanto o ICMBio atua nas unidades de conservação ambiental.

Crise

Salles está no centro de uma crise. Na semana passada, mandou o presidente do Ibama rever parecer do órgão para autorizar o leilão de poços de petróleo ao lado de Abrolhos.

Nesta semana, servidores divulgaram uma carta acusando o ministro de promover a “destruição da gestão ambiental”. O estopim foram as declarações feitas por ele em um evento no Rio Grande do Sul. Salles pediu punição a funcionários do ICMBio porque estes não compareceram ao encontro. Eles dizem que não foram convidados. A situação levou o presidente do ICMBio, Adalberto Eberhard, a pedir exoneração.

*Com informações do Estadão Conteúdo