Moro anuncia mais dois nomes; general que foi candidato pelo PSDB será secretário

  • Por Jovem Pan
  • 04/12/2018 13h51
José Cruz/Agência BrasilLuiz Pontel será secretário executivo; Guilherme Theophilo será responsável pela SENASP

O futuro ministro da Justiça Sergio Moro anunciou em coletiva na tarde desta terça-feira (4) mais dois nomes para sua equipe. O delegado da Polícia Federal Luiz Pontel será secretário-executivo. Já o General Guilherme Theophilo será responsável pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). Esse último foi candidato derrotado ao governo do Ceará pelo PSDB nas eleições deste ano e, segundo Moro, já se desfiliou da sigla.

“Pontel eu conheço há um tempo. Ele participou das investigações do Caso Banestado e na época foi um dos principais responsáveis pela primeira prisão de Alberto Youssef. Ali constatei sua absoluta integridade. Ele hoje atua como secretário nacional de Justiça”, disse. “Theophilo é general da reserva com larga experiência, longo currículo com trabalhos relevantes no Exército. Mais do que um homem de ação, eu queria um homem de gestão (…). O general foi, como é sabido, candidato nas eleições, mas se desfiliou do partido ao qual estava filiado. Não existe, portanto, nenhuma indicação político-partidária”, completou.

‘Onyx tem minha confiança pessoal’

Questionado pelos jornalistas presentes sobre as investigações de suposto caixa 2 envolvendo o futuro ministro da Casa Civil do governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, Moro afirmou que o deputado “tem sua confiança pessoal”.

“Já me manifestei sobre isso anteriormente. Questões sobre o Onyx devem ser indagadas a ele. O que assisti foi um grande esforço dele para aprovar as 10 medidas do Ministério Público contra a corrupção – ocasião em que ele foi abandonado pela maioria dos seus pares. Demonstrou ali um comprometimento pessoal – com custo político significativo – para a causa anticorrupção. Tem minha confiança pessoal”, declarou.

‘Funções’ do Ministério do Trabalho na pasta da Justiça

O futuro ministro foi indagado também sobre a declaração recente de Onyx sobre o fim do Ministério do Trabalho e a consequente transferência de suas funções a outras pastas, incluindo a da Justiça. “Isso está sendo debatido, a intenção de transferir o registro sindical, setor que houve muita corrupção no passado. O objetivo da transferência seria, sob o guarda-chuva do Ministério da Justiça, eliminar qualquer vestígio dessa corrupção. Mas não está totalmente delimitado. Se for, será bem cuidado.”

Julgamento de mais um HC de Lula

Por fim, perguntado sobre a análise de mais um habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que acontece nesta terça, preferiu não se manifestar. “Questões relativas ao ex-presidente pertencem à Justiça, não ao futuro ministério. Faz parte do meu passado. Não tenho nenhum comentário a respeito.”