Moro suspende ação contra Paulo Roberto Costa, mas condena filhas e genro de ex-diretor

  • Por Jovem Pan
  • 27/08/2018 13h36
Marcelo Camargo/Agência BrasilArianna Azevedo Costa Bachmann e Shanni Azevedo Costa Bachmann, filhas de Paulo Roberto, e Márcio Lewkowicz, genro, foram condenados

O juiz federal Sérgio Moro apresentou a sentença em ação no âmbito da Operação Lava Jato que investiga o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e mais quatro familiares por organização criminosa e embaraço às investigações da Polícia Federal.

Moro decidiu suspender a ação contra o ex-diretor por conta de seu acordo de colaboração premiada onde há um limite de penas que Paulo Roberto Costa já cumpre por outras condenações.

O juiz ainda extinguiu a punição de Humberto Sampaio de Mesquita, genro do ex-executivo, que faleceu em 2017, e condenou outros três réus.

Arianna Azevedo Costa Bachmann e Shanni Azevedo Costa Bachmann, filhas de Paulo Roberto, e Márcio Lewkowicz, genro, foram condenados por embaraço de investigação de organização criminosa.

A pena de Arianna ficou em dois anos e quatro meses de prestação de serviços comunitários a entidade pública ou beneficente. A de Shanni ficou em um ano e oito meses, da mesma forma. Lewkowicz foi condenado a dois anos e quatro meses de prestação de serviços comunitários.

De acordo com a denúncia do MPF, em março de 2014, os familiares de Paulo Roberto Costa foram ao escritório da empresa Costa Global Consultoria e retiraram documentos e dinheiro que poderiam incriminar o ex-executivo. A presença deles no escritório teria sido instruída por Paulo Roberto Costa.