Motociclistas representam 16 das 21 mortes em acidentes nas marginais, aponta Infosiga

  • Por Jovem Pan
  • 03/10/2017 13h15
Paulo Pinto/Fotos PúblicasOs registros dos acidentes fatais apontam ainda que os casos ocorreram com maior frequência durante a madrugada e início da manhã

O programa que contabiliza e estuda as mortes no trânsito do Estado de São Paulo, Infosiga, divulgou dados sobre os casos nas marginais Tietê e Pinheiros neste ano. Em sua maioria, eles ocorreram durante a madrugada ou no começo da manhã.

Das 21 mortes registradas, 16 delas foram de motociclistas, três pessoas estavam a pé e duas em automóveis. Do total, foram 18 homens que morreram, duas mulheres e uma pessoa não informada, e a idade mais comum registrada foi entre 25 e 34 anos, com um total de 8 vítimas. Foram ainda três vítimas com idades entre 40 e 44 anos.

Foram 14 mortes registradas apenas na Marginal Tietê. Os dados correspondem aos números do início do ano até agosto e, portanto, não incluem as três mortes por atropelamento que ocorreram no último domingo (01).

Os registros dos acidentes fatais apontam ainda que os casos ocorreram com maior frequência durante a madrugada e início da manhã. Três pessoas morreram entre 5h e 6h. Cinco morreram entre o período de 00h e 03h.

Vale lembrar que os limites das marginais aumentaram na gestão do prefeito João Doria no mês de janeiro. Os limites são 60 km/h (pistas locais), 70 km/h (pista central) e 90 km/h (pista expressa). A Prefeitura afirma que as mortes são devido à imprudência de motoristas e não aponta as velocidades como causas para as mortes nas vias.

Relatório de Agosto

Segundo o Sistema de Informações Operacionais da PM e a Polícia Rodoviária Federal, houve uma queda no mês de agosto no número de acidentes de trânsito com vítimas fatais. Foram 15.376 antes 15.510 no mês de julho. O maior número do ano até o momento foi em junho, quando o Estado registrou 15.897 casos.

De acordo com o Registro Digital de Ocorrências, o número de mortes decorrentes de acidentes de trânsito em SP caiu para 430 casos ante 563 no mês anterior, maior registro desde o início do ano.

O meio de locomoção mais utilizado pelas vítimas fatais foi o de motocicleta com 144 casos. Pedestres foram 128 casos e automóvel, 97 registros.