MP pede transferência de Cabral a prisão em Curitiba e lista regalias; veja

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2018 11h10 - Atualizado em 18/01/2018 11h36
Secretaria de Administração PenitenciáriaRegalias ao ex-governador, com livre circulação pelas alas do presídio, visitas especiais e comidas importadas, teriam se estendido de Bangu para Benfica

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pediu a transferência do ex-governador Sérgio Cabral (MDB) para um presídio de Curitiba, em Paraná. Condenado na Lava Jato, Cabral está em uma cadeia do bairro de Benfica, na capital fluminense e, segundo o MP-RJ, conta com uma lista de regalias e privilégios que foram listados (veja abaixo) que vêm desde quando ele estava detido na penitenciária de Bangu.

Cabral já foi denunciado 20 vezes pelo Ministério Público Federal e condenado em duas ações, por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, somando 72 anos de prisão até agora.

Os promotores listam uma “rede de serviços e valores” que teria sido montada no interior do cárcere a favor do ex-governador:

– “videoteca”: tentativa de instalar um home theater no presídio do Rio, forjando doação dos equipamentos por meio de uma igreja;

– academia: aparelhos de musculação de “bom padrão como halteres e extensores de uso exclusivo”;

– iguarias gastronômicas: queijos requintados como queijo de cabra, presunto importado, camarão, frios e bacalhau. Produtos in natura são proibidos em resolução da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP);

– visitas fora de horário, do filho e deputado federal pelo MDB Marco Antônio Cabral; o livro de visitas do presídio teve páginas arrancadas;

– encomendas por recebimento direto e sem vigilância no “ponto-cego”;

– escolta particular em Bangu realizada por agentes penitenciários;

– suposto recebimento de medicamentos sem prescrição médica

Afastamentos

O MP pede também o afastamento do secretário de Administração Penitenciária (Seap), coronel Erir Ribeiro e de outros servidores da pasta, incluindo diretores das cadeias cariocas: Sauler Antonio Sakalen, subsecretário da Seap; Alex Lima de Carvalho, inspetor de Bangu 8; Fernando Lima de Farias, subdiretor de Bangu 8; Fábio Derraz Sodré, diretor do presídio de Benfica; e Nilton Cesar Vieira da Silva, subdiretor do presídio de Benfica.

Erir teria recebido apoio financeiro da família de Cabral quando concorreu a vereador. Depoimentos indicariam que as doações, inclusive do home theater, passariam pela aprovação do chefe da Seap.