MPF afirma que investigação da PF não aponta para invasão de garimpeiros a terras indígenas

  • Por Jovem Pan
  • 29/07/2019 21h03 - Atualizado em 29/07/2019 21h03
Reprodução/343 AmazôniaCacique Emyra Wajãpi foi morto a facadas; indígenas alertaram que 15 invasores passaram uma noite na aldeia Yvytotõ

O Ministério Público Federal (MPF) afirmou nesta segunda-feira (29) que as investigações preliminares da Polícia Federal não apontam a presença de grupos invasores na terra indígena do povo Wajãpi, no Amapá.

Em entrevista coletiva, o procurador da República, Rodolfo Lopes disse que ainda não está descartada a possibilidade de realização de novas diligências na região. A expectativa é de que a PF conclua até o final de semana o relatório sobre a suposta invasão de garimpeiros à terra indígena e sobre a morte do chefe da aldeia, Caci, de 62 anos.

Cerca de 25 policiais da PF e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Amapá, participaram da diligência realizada ontem (28). As lideranças indígenas relataram para as equipes de investigação que 15 invasores passaram uma noite na aldeia Yvytotõ, distante cerca de 300 quilômetros da capital, Macapá, de forma “impositiva” e “de posse de armas de fogo de grosso calibre”.

Durante a diligência, os policiais foram levados por lideranças indígenas aos locais onde teriam ocorrido as invasões. Lá marcaram os pontos com GPS e tiraram fotos. “Até agora, as investigações preliminares não conseguiram apurar a presença de humanos [sic] na região. A Polícia Federal marcou as coordenadas, fez os vídeos e fotos e isso vai ser apresentado no relatório definitivo a ser apresentado pela polícia”, disse o procurador.

“Nesses locais não há nem indícios de garimpo, de conflito ou de vestígios da presença humana, de não indígenas.. pegadas, marcas de fogueira não há qualquer elemento específico…”, acrescentou Lopes.

De acordo com o MPF, as autoridades policiais informaram que não é descartada nenhuma hipótese sobre o homicídio. “As investigações continuam. Os encaminhamento serão melhor sistematizados a partir de hoje. Ainda vamos fazer uma reunião para situar como estão as investigações. As medidas a se tomar são diversas, isso vai depender da análise do que foi encontrado no local”, afirmou Lopes.

MPF não sabe se corpo de cacique será periciado

Segundo os relatos dos índios, Emyra Wajãpi foi morto na tarde de segunda-feira (22). Entretanto, a morte não foi testemunhada por indígenas e só foi percebida na manhã de terça-feira (23). Questionado se o MPF vai pedir uma perícia no corpo do cacique, o procurador disse que a decisão fica a cargo das PF.

“A perícia do corpo vai ficar a cargo das autoridades competentes que vão analisar se é o caso de realizar uma perícia e vão entrar em contato com a lideranças indígenas”, disse.

Em nota, os Wajãpi disseram estar preocupados com a situação. Eles relataram que alguns indígenas estavam saindo das aldeias, com medo de invasão. “Nas aldeias desta região algumas famílias estão com medo de sair para as roças ou para caçar. Algumas comunidades saíram de suas aldeias, para se juntar com famílias de outras aldeias para se sentirem mais seguras”, diz a nota.

* Com informações da Agência Brasil