Museu Nacional estava em situação irregular, aponta análise do Corpo de Bombeiros

  • Por Jovem Pan
  • 05/09/2018 13h32
EFEO Museu Nacional não possuía o Certificado de Aprovação em dia

Três dias após o incêndio que destruiu cerca de 90% do acervo do Museu Nacional, os bombeiros analisaram a documentação da instituição. Divulgada nesta quarta-feira (05), a conclusão é que o Museu estava em situação irregular na legislação de segurança contra incêndio e pânico.

O Museu Nacional não possuía o Certificado de Aprovação em dia. O documento atesta as medidas de segurança básica. Entretanto, os bombeiros não explicaram por qual motivo o Museu Nacional permaneceu aberto para visitação.

As condições precárias da instituição já vinham sendo investigadas pelo Ministério Público Federal há dois anos. Além da falta de recursos, o Museu tinha sinais de má conservação como fios elétricos aparentes, cupins e paredes descascadas.

Além de não ter seguro, o prédio carecia de portas corta-fogo e de brigadistas de incêndio.

Confira abaixo a nota completa do Corpo de Bombeiros:

“Após análise de toda a documentação relativa ao Museu Nacional, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro confirma que o órgão não tem o Certificado de Aprovação (CA) da corporação, o que significa que está irregular no que diz respeito à legislação vigente de segurança contra incêndio e pânico.

O Certificado de Aprovação é o documento que atesta a conformidade das condições arquitetônicas da edificação (área construída, número de pavimentos), bem como as medidas de segurança exigidas pela legislação (extintores, caixas de incêndio, iluminação e sinalização de segurança, portas corta-fogo).

É importante ressaltar que estar em conformidade com as medidas de segurança contra incêndio e pânico é uma obrigação de todos. É de responsabilidade dos administradores dos imóveis o cumprimento da legislação vigente. É imprescindível a cultura de prevenção na sociedade.”

O incêndio

Um incêndio atingiu o Museu Nacional, na Quinta da Boa vista, em São Cristóvão, Zona Norte do Rio de Janeiro, na noite deste domingo (02). A assessoria de imprensa do museu disse que não houve feridos, já que o incêndio começou após o fechamento para o público. As causas do incêndio ainda são apuradas.

O fogo teve início, aproximadamente, às 19h30, quando quatro vigilantes estavam no local. Os trabalhadores conseguiram fugir a tempo. O Corpo de Bombeiros está no local e, imediatamente, iniciou o combate ao fogo.

A Polícia Civil abrirá um inquérito e deverá passar o caso para a Delegacia de Repressão à Crimes de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal avaliar se o incêndio foi criminoso.

De acordo com testemunhas que estavam no local, o Corpo de Bombeiros teve dificuldade para puxar água para combater as chamas.

Funcionários e pesquisadores do Museu Nacional se juntaram aos bombeiros para ajudar na diminuição do fogo. A intenção era guiar o Corpo de Bombeiros até salas da instalação que contém produtos químicos inflamáveis usados para conservar animais raros.