Na véspera de julgamento, Juíza Selma se emociona e admite que pode ser cassada

  • Por Jovem Pan
  • 03/12/2019 10h51
Divulgação/Agência SenadoNesta segunda, a senadora declarou que "a justiça vai prevalecer" se os ministros do TSE analisarem o processo "com técnica"

Na véspera do julgamento que pode cassar seu mandato, a senadora Juíza Selma (PODE-MT) fez um discurso emocionado na tribuna do Senado nesta segunda-feira (2) e admitiu que pode perder o cargo.

Com voz embargada, a parlamentar que era chamada de “Moro de saia” na campanha afirmou que há pressão política na Justiça Eleitoral contra ela. O caso começará a ser julgado pelo TSE nesta terça-feira (3). A ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge deu parecer pela cassação.

“A gente pode até prever que o resultado não seja o resultado positivo, mas eu penso de qualquer forma que o resultado disso tudo é positivo. Qualquer resultado vai trazer uma mensagem positiva para todos nós”, disse Selma.

A parlamentar negou que haja constrangimento por ser processada e afirmou acreditar em sua “luta” contra a corrupção. Selma é juíza aposentada.

A senadora teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso (TRE-MT) por suspeita de receber caixa 2 no valor de R$ 1,2 milhão durante a campanha do ano passado.

“Ainda que eu saia, eu tenho certeza que todos os dias a minha oração vai ser dirigida a vocês e que vocês vão ter força, talvez mais ainda do que eu estando aqui, vocês vão ter muita força para lutar contra tudo isso”, discursou Selma, com voz embargada, dirigindo-se aos senadores Styvenson Valentim (PODE-CE) e Eduardo Girão (PODE-CE).

No mês de abril, em entrevista ao Broadcast Político, a parlamentar admitiu que “errou” ao não ter declarado gastos feitos antes do período oficial de campanha, mas nega que a prática tenha sido ilegal. Ela argumenta que a legislação não a obrigaria a declarar gastos feitos antes de ser oficialmente candidata.

Nesta segunda, a senadora declarou que “a justiça vai prevalecer” se os ministros do TSE analisarem o processo “com técnica”. A sessão da Corte Eleitoral em que o caso deve ser julgado está marcada para as 19h.

*Com informações do Estadão Conteúdo