Não há recursos para cumprir promessas feitas por Dilma, diz ministro das Cidades

  • Por Jovem Pan
  • 09/06/2016 16h42
Brasília - Deputado Bruno Araújo durante discussão da autorização ou não da abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, no plenário da Câmara dos Deputados (Marcelo Camargo/Agência Brasil)Bruno Araújo

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, levou aos líderes partidários na Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (09), dados que demonstram a falta de recursos para a pasta.

Em entrevista exclusiva ao repórter José Maria Trindade, o ministro afirmou que recebeu a pasta com diversas promessas do Governo Dilma, que não foram cumpridas. “Viemos mostrar o País que o Ministério das Cidades encontrou quando recebido pelo Governo do presidente Temer”.

Segundo Bruno Araújo, serão necessários cerca de 40 anos do atual orçamento da pasta das Cidades para cumprir as promessas feitas para governadores e prefeitos na área de saneamento.

“São 70 anos comprometidos do orçamento para mobilidade e 40 anos do orçamento deste ano para cumprir todas as promessas na área de saneamento, isso se não lançarmos nenhuma outra obra nova”, disse.

Minha Casa, Minha Vida

O ministro afirmou que será publicado nesta sexta-feira (10) o Programa Nacional de Habitação Rural. Este, trará os critérios de habilitação para entidades rurais.

“Estamos em fase de contratação de 19 mil unidades habitacionais das entidades rurais”, pontuou Araújo.

Segundo ele, antes existia um critério de pontuação, porém algumas entidades eram mais beneficiadas que outras. “Agora criamos um ambiente de igualdade para a disputa de unidades habitacionais de forma mais democrática sem nenhum direcionamento político”, destacou.

As fases 2 e 3 do programa seguem firmes, segundo o ministro: “são mais de 200 mil contratações neste ano”. Já sobre a fase 1, segundo Araújo, “acabou o dinheiro” durante a gestão de Dilma Rousseff.

“A presidente fastada Dilma Rousseff, que contratou centenas de milhares de faixa 1, acabou o dinheiro do Minha Casa, Minha Vida. Dilma retirou recurso do faixa 1. O que temos são 100 mil unidades habitacionais paradas e temos que arrumar R$ 1 bilhão para tocar essa obra”, pontuou.

Segundo o ministro, é preciso dar clareza à sociedade “que foi enganada ao longo desse tempo por obras que nunca teve dinheiro para pagar”.