O único problema de Flávio Bolsonaro é o sobrenome, afirma Mourão

  • Por Jovem Pan
  • 22/01/2019 16h05 - Atualizado em 22/01/2019 16h19
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoGeneral é presidente em exercício até retorno de Bolsonaro, que está no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça

“O único problema do senador Flávio, qual é? Sobrenome, né?” Esta foi a resposta que o presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, deu nesta terça-feira (22) ao ser questionado sobre relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre ex-assessores de Flávio Bolsonaro no parlamento fluminense.

“Este assunto, meu amigo, estou fora dele”, completou o general. O filho de Jair Bolsonaro, titular da presidência, é citado no documento que detectou movimentações financeiras atípicas com indícios de lavagem de dinheiro e ocultação de bens em constas bancárias de ex-funcionários do então deputado estadual do Rio de Janeiro.

Com a declaração, Mourão indicou que não comentaria o tema polêmico. Declarou apenas que há também outros parlamentares investigados na esfera cível por suspeita de improbidade administrativa. “Há essa repercussão toda pelo sobrenome dele, assim como tem mais outros 25 deputados que são investigados por problemas similares.”

Para o presidente em exercício, é preciso aguardar as investigações e a Justiça. Ele não quis falar sobre a informação de que o senador eleito empregou no gabinete a mãe e a esposa de dois policiais suspeitos de participação na morte da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ). Eles foram alvo da Operação Intocáveis, nesta manhã.

“Não compete a mim analisar, ok? O governo está tranquilo, este não é um fato que nos interesse por enquanto. Quando passar a interessar, será divulgado quando for necessário”, afirmou. No último domingo (20), o general havia dito que o caso de Flávio em relação ao relatório do Coaf “não tem nada a ver com o governo”.

*Com informações do Estadão Conteúdo