OMS adia decisão sobre alerta internacional para conter coronavírus

O comitê da OMS se reúne em casos de epidemias com riscos de transmissão além das fronteiras nacionais. A decisão deve ser anunciada nesta quinta-feira (23) após reunião

  • Por Jovem Pan
  • 22/01/2020 19h21
EFE/ Martial TrezziniTedros Adhanom, diretor-geral da OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) decidiu nesta quarta-feira (22) adiar para quinta (23) a reunião para avaliar se declara ou não emergência internacional para conter o surto de um novo coronavírus, que surgiu na China e começa a se espalhar por outros países.

O Comitê de Emergência da OMS, formado por especialistas de diversos países, inclusive chineses, se reuniu nesta quarta na sede da organização, em Genebra, na Suíça, mas não conseguiu chegar a um consenso sobre a adoção da medida.

Até o momento, há 440 casos confirmados, e 17 pessoas morreram. O presidente do Comitê de Emergência, Didier Houssin, admitiu em entrevista coletiva que o órgão está dividido sobre declarar ou não emergência internacional devido ao misterioso vírus chinês.

Já o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, argumentou que a cautela se deve ao fato de todos levarem o surto muito à sério, o que exige mais informações sobre a doença.

Os especialistas da OMS reafirmaram nesta quarta que há evidências de transmissão de vírus entre humanos, o que torna a propagação da doença, como ocorria em outros coronavírus, como o responsável pela Síndrome Aguda Respiratória Grave (Sars) e pela Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers).

A reunião do Comitê de Emergência ocorreu um dia depois da China ter registrado um grande aumento dos casos diagnosticados. O país ainda se prepara para um crescimento de viagens devido às férias para a celebração do Ano Novo chinês, que começa no próximo sábado (25).

As autoridades de Wuhan, cidade onde o novo vírus surgiu, suspenderam o funcionamento de todos os serviços de transporte – o que inclui rede de ônibus, metrô, trens e aeroportos – para frear a saída de seus mais de 10 milhões de habitantes.

A declaração de alerta internacional colocaria em andamento medidas de prevenção em nível global, como ocorreu em cinco ocasiões. A mais recente emergência foi decretada no ano passado, depois de um surto de ebola na República Democrática do Congo.

*Com informações da EFE