Operação Cronos II termina com 968 prisões por homicídio e feminicídio

  • Por Jovem Pan
  • 28/05/2019 21h24
Tânia Rêgo/Agência BrasilDentre as prisões, 42 foram pela prática de feminicídio, 404 por homicídio e 289 por crimes relacionados à Lei Maria da Penha

A Operação Cronos II, deflagrada nesta terça-feira (28) em todo o país, prendeu 968 acusados ou condenados por homicídios e feminicídios, incluindo 31 menores. As ações são coordenadas pelo Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil (CONCPC) e tem apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi).

Dentre as prisões, 42 foram pela prática de feminicídio, 404 por homicídio e 289 por crimes relacionados à Lei Maria da Penha.

Em São Paulo, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) divulgou a prisão de 526 pessoas, sendo 28 adolescentes. Também foram cumpridos 96 mandados de busca e apreensão. Além disso, oito veículos foram recuperados no estado, recolhidos mais de 19 quilos de crack, cocaína e maconha e 18 armas foram apreendidas, sendo 15 armas de fogo e três brancas.

A delegada-geral de São Paulo, Elisabete Sato, considerou a operação “extremamente positiva”. “Quando todos os estados da Federação se unem com a mesma finalidade, de tirar de circulação homicidas e principalmente autores de feminicídio, a importância é evidente. Dá uma sensação de segurança para a sociedade em geral”, avaliou em entrevista à imprensa para divulgação dos dados do estado de São Paulo.

As mortes qualificadas como feminicídio em São Paulo aumentaram 12,9% em 2018 na comparação com o ano anterior, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Foram registrados 148 assassinatos no ano passado e 131 em 2017.

Segundo a Polícia Civil, o nome da operação, Cronos II, faz referência “à supressão do tempo de vida da vítima, reduzido pelo autor do crime”.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, compartilhou os resultados e parabenizou a Polícia Civil e o CONCPC em publicação na sua página no Twitter:

Primeira fase

Deflagrada em agosto de 2018, a primeira fase da Operação Cronos resultou na prisão de mais de 2,6 mil pessoas em todo o país. Além disso, foram apreendidos 341 adolescentes. O Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil informou à época que 42 pessoas foram presas por feminicídio; 404 por homicídio; 289 presos por crimes relacionados à Lei Maria da Penha; 640 foram autuadas em flagrante por posse ou porte irregular de arma de fogo, tráfico de drogas e outros crimes; e 1.252  foram detidas em decorrência de mandados de prisão expedidos por outros crimes.

Durante a primeira fase, foram apreendidas 146 armas de fogo e aproximadamente 383 quilos de entorpecentes, como maconha, cocaína e crack. Mais de 7,8 mil policiais civis de todo o país participaram das ações.