Operação mira suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle Franco

  • Por Jovem Pan
  • 22/01/2019 09h40 - Atualizado em 22/01/2019 09h43
Reprodução/FacebookO assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson completa um ano no próximo 14 de março

O Ministério Público do Rio de Janeiro e a Polícia Civil deflagraram nesta terça-feira (22) a operação Os Intocáveis contra suspeitos de estarem envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Cerca de 140 agentes tentam cumprir treze mandados de prisão preventiva autorizados pela Justiça.

Segundo o jornal O Globo, entre os alvos da operação estão o major da Polícia Militar Ronald Paulo Alves Pereira, o ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe da milícia de Rio das Pedras; e o subtenente reformado da PM Maurício Silvada Costa, o Maurição.

Eles integram a milícia mais antiga e perigosa do estado e estão envolvidos na exploração de imóveis ilegais em Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio, com ações violentas e assassinatos. Ainda de acordo com o jornal, há indícios de que dois dos alvos de prisão comandem o Escritório do Crime, braço armado da organização, especializado em assassinatos por encomenda. Os principais clientes do grupo de matadores profissionais são contraventores e políticos.

Marielle e Anderson foram mortos a tiros e 14 de março do ano passado, na região central da capital fluminense. Quase um ano após o assassinato, o caso segue sem solução.

O vereador Marcello Siciliano (PHS) é investigado como suspeito de ter ordenado o crime. Siciliano declarou que, ao levantar suspeitas contra ele, estão “querendo matar outro vereador com o mesmo tiro”.