Padre é morto em obra de igreja em Brasília

Corpo do sacerdote foi achado com os pés e as mãos amarrados e um arame farpado enrolado ao pescoço

  • Por Jovem Pan
  • 22/09/2019 16h10
Reprodução/TV GloboDe acordo com a Polícia Civil, o caso está sendo investigado como latrocínio – roubo seguido de morte

Neste sábado (21), o padre polonês Kazimierz Wojno, de 71 anos, foi encontrado morto pela Polícia Civil em uma obra da igreja Nossa Senhora da Saúde, na Asa Norte, em Brasília. O corpo do sacerdote foi achado com os pés e as mãos amarrados e um arame farpado enrolado ao pescoço.

De acordo com a Polícia Civil, o caso está sendo investigado como latrocínio – roubo seguido de morte. Wojno havia ido fiscalizar a obra quando foi vítima de um assalto. O caseiro também foi feito refém pelos bandidos, mas conseguiu gritar e pedir socorro. Ele foi agredido e segue internado. Além de matarem o pároco, os criminosos arrombaram cofres localizados na casa paroquial e levaram diversos objetos do local.

“Foi um crime cruel pela forma que ele foi executado. Não havia a menor necessidade de cometerem esta barbárie”, afirmou o delegado Laércio Rossetto, da 2ª Delegacia de Polícia. “Se eles queriam roubar, podiam ter roubado, poderiam ter mantido ele dentro do banheiro. Não havia necessidade de matar.”

No início da noite de sábado, o padre celebrou uma missa na paróquia, às 18h30, e depois se dirigiu à casa paroquial, nos fundos da igreja. Ao lado da casa, é realizada uma obra de ampliação. Conforme a polícia, o padre e o caseiro teriam sido rendidos por pelo menos quatro bandidos.

Eles amarraram os pulsos, as pernas e o pescoço do padre, na altura da cervical, enquanto o funcionário José Gonzaga da Costa, de 39 anos, teve os pulsos e as pernas imobilizados. O padre foi estrangulado com fios de arame. “Houve arrombamento de mais de um cofre lá (na casa paroquial)”, informou o delegado. “Encontramos maquinário. Tudo indica que eles cometeram assassinato para roubar.”

A polícia trabalha com a estimativa de que os bandidos permaneceram cerca de três horas no local. Imagens de vídeo obtidas de câmeras do entorno mostram que eles saíram do local a pé, após pularem a cerca que delimita o terreno da igreja. O funcionário que foi rendido conseguiu pedir ajuda a um vigia de um estabelecimento próximo e, a partir daí, a polícia foi avisada.

Rossetto afirmou ainda que a polícia já tem alguns suspeitos e está colhendo depoimentos, inclusive do caseiro. De acordo com a corporação, as pessoas que participaram do latrocínio tinham conhecimento da rotina da igreja e dos próprios cofres que estavam na casa paroquial.

Padre Casimiro, assim chamado pelos fiéis, era o pároco da igreja localizada na área central de Brasília, que fica a 800 metros de uma delegacia.

Repercussão

Mesmo com o crime na noite de sábado, houve celebração de duas missas na Paróquia Nossa Senhora da Saúde na manhã deste domingo (22). O padre João Firmino, pároco da Catedral de Brasília, contou que os fiéis estão consternados.

“Todos conhecíamos o padre Casimiro. Ele já tinha mais de 25 anos na paróquia, 40 anos de Brasil. Era um padre amado”, afirmou. “Ele tinha um jeito durão, mas sempre atendia as pessoas que viessem pedir (auxílio)”.

Em nota, a Arquidiocese de Brasília lamentou a morte do religioso e informou que acompanha o caso. “Convidamos a todos para participarem do velório e da missa e exéquias na Paróquia N Sra. da Saúde”.

Também em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal afirmou que “todos os esforços estão sendo enviados pelas forças de segurança para identificar e prender o(s) autor(es) desse crime”. Segundo o texto, “o latrocínio, infelizmente, interrompe um período de dois anos sem esse tipo de delito nessa região da cidade”.

Às 19h30 deste domingo, deve ocorrer uma missa em nome do sacerdote, na paróquia onde ele atuava. Uma representante da embaixada da Polônia esteve no local e a família de padre Casimiro já teria sido localizada no país Europeu.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, decretou luto oficial de três dias. Em abril deste ano, a igreja de Nossa Senhora da Saúde já havia passado por outra invasão. Na época, os assaltantes haviam levado o sacrário – objeto onde são guardadas as hóstias.

* Com informações do Estadão Conteúdo