Para Maia, distritão em 2018 “não é tão ruim assim”

  • Por Estadão Conteúdo
  • 14/08/2017 21h15
Brasília - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, empossa no cargo de deputado dois suplentes que ocuparão vagas de titulares que se licenciaram. A economista Yeda Crusios no lugar de Nelson Machezan Júnior e Izaque Silva, no lugar de Bruno Covas (José Cruz/Agência Brasil)Maia também voltou a defender que a criação do fundo público para financiamento de campanhas deveria ser uma medida provisória. "O fundo público permanente, no momento de crise que estamos vivendo, não parece também a melhor alternativa", disse

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rebateu nesta segunda-feira, 14, as críticas ao chamado distritão e disse que o sistema, como um modelo de transição, “não é tão ruim assim”.

“Eu acho que se a gente tiver uma transição, com o distrital misto em 2022, a gente deu um grande passo e conseguiu construir, a médio prazo, um modelo que vai conseguir dar racionalidade ao sistema brasileiro”, disse.

Para Maia, que também já fez críticas ao modelo majoritário, o sistema não vai impedir a renovação da Câmara e que o problema, na verdade, é “a prática de criticar tudo”.

Desde a semana passada, o modelo, aprovado na comissão especial que debate a reforma política na Câmara para valer nas eleições de 2018, vem sendo criticado por parlamentares e especialistas.

Pelo distritão, são eleitos os candidatos mais votados em cada Estado. A principal crítica é que isso enfraquece os partidos e dificulta a eleição de novos nomes, pois as legendas iriam optar por lançar menos candidatos e dariam prioridades para os políticos que já possuem mandatos.

Maia também voltou a defender que a criação do fundo público para financiamento de campanhas deveria ser uma medida provisória. “O fundo público permanente, no momento de crise que estamos vivendo, não parece também a melhor alternativa”, disse.