Em 1º depoimento pós-prisão, Pezão diz que Cabral tem esquema para prejudicá-lo

“Acho que é uma delação combinada entre os quatro para ganhar benefício, e eu sou o único que restou aqui’, disse Pezão sobre Sérgio Cabral e delatores

  • 03/02/2020 18h37
RICARDO CASSIANO/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDOO ex-governador do Rio Luiz Fernando Pezão prestou depoimento nesta segunda-feira (3)

O ex-governador do Rio Luiz Fernando Pezão (MDB) prestou na tarde desta segunda-feira (3) o primeiro depoimento desde que foi preso, em novembro de 2018 – ele foi solto em dezembro de 2019 por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O emedebista negou as acusações às quais responde. Antes de responder aos questionamentos do juiz Marcelo Bretas, Pezão pediu para desabafar. “Estou há 14 meses esperando para falar”, disse o ex-governador. “Fui preso sem ter direito a falar.”

No monólogo inicial de Pezão, as principais críticas recaíram sobre seu ex-aliado e também ex-governador Sérgio Cabral, que depôs antes dele e o acusou de participar da estruturação do esquema de propina no governo estadual “desde o primeiro instante”, ou seja, desde a eleição que levou Cabral ao Palácio Guanabara, em 2007.

Irritado com o ex-aliado, Pezão criticou a mudança de versões dadas por ele em seus interrogatórios – citou, por exemplo, valores diferentes mencionados em depoimentos distintos.

Pezão levou para a sala de audiências da 7ª Vara Federal Criminal seu passaporte, a fim de mostrar que estava na Itália num dia em que o delator Sérgio de Castro Oliveira (Serjão), ex-operador de Cabral, teria lhe dado propina em mãos no Rio. O ex-governador disse acreditar que há uma conspiração por parte de Cabral, Serjão e outros dois delatores a fim de o prejudicar

“Acho que é uma delação combinada entre os quatro para ganhar benefício, e eu sou o único que restou aqui. Não sei qual é a mágoa, a tristeza, a frustração que eles têm”, comentou.

O ex-governador negou diversas acusações feitas contra ele. Entre elas estão a suposta mesada de R$ 150 mil que receberia quando era vice-governador e secretário de Obras, e também propinas pagas pela Fetranspor. “Eu estou abismado e perplexo com a criatividade deles. Porque dizer que entregou dinheiro na minha mão no Palácio é muito fácil, eu não tenho nem como rebater”, afirmou.

Prisão ‘aterrorizante’

Uma das cenas mais simbólicas da Lava Jato do Rio, a prisão de Pezão se deu em pleno Palácio Guanabara, faltando pouco mais de um mês para o fim de seu mandato. No depoimento a Bretas, o ex-governador fez questão de criticar o que classificou como um “quadro aterrorizante”.

“Eu fui tirado de dentro do Palácio Laranjeiras de uma maneira muito violenta. Não esperava, faltando 33 dias para acabar o governo, sofrer o que eu sofri, depois de ter vivenciado a maior crise do Estado, de ter sido o único Estado a fazer sua recuperação fiscal no país, sair daquela maneira: precisar entrar seis pessoas de fuzis, quatro mulheres com armas apontadas para mim e minha esposa. Achei uma violência muito grande”, falou Pezão, com o tom de voz elevado.

A entonação dele fez com que os procuradores do Ministério Público presentes na audiência pedissem mais detalhes. Perguntaram, especificamente, sobre os “fuzis apontados para a cabeça”. Pezão, então, continuou: “Achei uma violência muito grande. Cadê as joias?, Cadê o cofre?, puxando os vestidos da minha mulher, terno. Sinceramente, acho que não precisava. Fuzis apontados para tudo que é lado, para minha cabeça também. Eu estou [estava] deitado. É muito violento, acho que não precisa tirar um governador de Estado assim dessa maneira”, explicou.

Questionado se tem dinheiro guardado, outra acusação feita por Cabral pouco antes , Pezão disse que seu único bem é um apartamento e a casa em que mora com a esposa. “Estou esperando minha aposentadoria do INSS sair há 19 meses. Esse é o dinheiro que eu vou ter”, afirmou.

Após o interrogatório, Pezão falou com a imprensa na entrada do prédio da Justiça Federal, no centro do Rio. Além de reforçar sua inocência e de criticar novamente o modo como se deu sua detenção, o ex-governador disse que o período na prisão “acabou” com a vida de sua família.

“Período muito difícil, injusto, mas graças a Deus eu tenho muita fé, muita resiliência. A prisão não é lugar para você ficar nem um dia. Eu fiquei 1 ano e 12 dias lá dentro, então eu sei o que sofri. E o pior: a gente está num momento em que os políticos estão jogados todos na mesma vala comum, a gente está acostumado. Pior é para a minha família. Acaba com a vida da família”, lamentou Pezão.

*Com Estadão Conteúdo