PF indicia primeira-dama de MG por corrupção; mais 4 foram acusados

  • Por Jovem Pan
  • 24/04/2017 08h50
Carolina Oliveira Pimentel e Fernando Pimentel (Tv Globo)

A Polícia Federal indiciou a mulher do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), os secretários da Casa Civil e do Planejamento do governo do petista e mais dois executivos no âmbito das investigações da Operação Acrônimo.

A primeira-dama Carolina Pimentel foi indiciada como participante em corrupção, lavagem de dinheiro e crime eleitoral.

O ex-presidente da Caoa, Antonio Maciel, e o presidente do grupo Aliança, Elon Gomes, também foram indiciados, mas por falsidade ideológica e crime eleitoral. Não há acusação contra as empresas.

O publicitário Vitor Nicolato, nome de confiança do empresário Benedito de Oliveira, o Bené, também foi indiciado.

O indiciamento não significa a certeza de culpa, mas sim que existem fatos para a denúncia e processo. A denúncia cabe ao Ministério Público, que poderá aceitar ou não a conclusão do inquérito policial.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, a defesa de Carolina Pimentel disse que “ainda não teve acesso aos autos, e por isso está impossibilitada de comentar”.

Marco Antonio Teixeira, chefe da Casa Civil do governo mineiro, afirmou que não possui informação sobre o indiciamento e que por isso não poderia comentar.

A defesa de Elon Gomes afirmou que o processo está sob sigilo. Enquanto isso, o grupo Aliança divulgou nota afirmando que a empresa não tem como comentar “por não ser parte do caso”.