PF investigará invasões a celulares de Joice Hasselmann e Paulo Guedes

Parlamentar e ministro da Economia tiveram aparelhos atacados por hackers nesta semana

  • Por Jovem Pan
  • 23/07/2019 16h45 - Atualizado em 23/07/2019 16h52
Jovem PanDeputada diz que o criminoso responsável é "provavelmente da mesma gangue que invadiu o celular de Moro"

A Polícia Federal informou nesta terça (23) que vai investigar a suposta invasão de hackers nos aparelhos celulares do ministro da Economia, Paulo Guedes, e da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP). A parlamentar disse que teve seu telefone clonado no domingo (21).

A apuração sobre o caso envolvendo Joice está mais avançada. Assim que tomou conhecimento da invasão, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, determinou que a Polícia Federal abrisse uma investigação. A denúncia feita pela deputada foi encaminhada à corregedoria da PF, que decidiu abrir um inquérito para apurar o caso.

Sobre a possível invasão do celular de Guedes, a assessoria do Ministério da Economia disse que, na noite de segunda (22), o celular do ministro havia sido hackeado. Em mensagem distribuída a jornalistas, a pasta pediu que mensagens vindas do número dele e de outras pessoas do gabinete fossem desconsideradas.

As constantes invasões de aparelhos celulares têm assustado membros do governo e do Congresso Nacional nos últimos meses. O próprio ministro Sergio Moro afirmou ter sido alvo; diálogos atribuídos a ele e ao procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, passaram a ser divulgados pelo site The Intercept, desde o dia 9 de junho.

Para Joice, o criminoso responsável pelo ataque é “provavelmente da mesma gangue que invadiu o celular de Moro” e de procuradores da República. Em um vídeo publicado nas redes sociais, a deputada relata que houve encaminhamento de mensagens em seu nome pelo aplicativo Telegram. “Procuraram um jornalista bastante conhecido no Brasil, o Lauro Jardim”, disse.

Joice também disse que não usa o aplicativo de mensagens desde a época da campanha. “Acontece que eu não uso o Telegram, não uso o Telegram para fazer ligações, tem uma ligação internacional aqui que eu não faço ideia de onde seja, e algumas ligações aqui de mim para mim mesma, exatamente o que aconteceu com Sergio Moro”, afirmou, contando ainda que já comunicou o presidente Jair Bolsonaro sobre o ocorrido.

A deputada pediu ainda que “fiquem de olhos e ouvidos atentos” sobre qualquer mensagem que possa circular em seu nome, já que, para Joice, irão “usar todo o tipo de sujeira para tentar manchar” o seu nome.

“Isso é caso de polícia. Esses bandidos precisam ir para a cadeia, vou desativar o celular, mas peço que todos vocês fiquem de olhos e ouvidos atentos e orelhas em pé pra qualquer mensagem que possa circular por aí em meu nome, porque certamente vão usar todo tipo de sujeira para tentar manchar o meu nome”, afirmou.

Com Estadão Conteúdo