PGR: Aécio colocou função de senador à disposição de Joesley Batista

  • Por Jovem Pan
  • 25/09/2018 18h25
Jefferson Rudy/Agência Senado Procurador assinalou que ação "perfaz o tipo da corrupção passiva"

A Procuradoria-Geral da República rebateu argumentos feitos pela defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e de sua irmã, Andrea, no processo que respondem no Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva. Em um novo documento, a PGR afirma que os dois tentam “rediscutir questões já analisadas” e diz que o tucano “colocou sua função pública de senador à disposição de Joesley Batista, empresário da JBS/J&F.

“Conforme expresso nos votos dos ministros, a conduta praticada por Aécio demonstra que ele colocou sua função pública de senador à disposição de Joesley, o que perfaz o tipo da corrupção passiva, tal qual previsto pelo legislador brasileiro”, assinalou Luciano Mariz Maia, vice-procurador-geral da República no exercício do cargo de procurador-geral.

“Os ministros analisaram exaustivamente a questão e foram unânimes em concluir que o auxílio prestado por Marcelo Miller no acordo de colaboração premiada celebrado entre os executivos da empresa J&F e a PGR não possui o condão de invalidar as provas dele decorrentes”, completou.

Segundo denúncia recebida pelos ministros da Primeira Turma do STF em abril, Aécio, Andrea e outros investigados teriam recebido R$ 2 milhões de Joesley.

*Com informações do Estadão Conteúdo