PGR pede que caso de lobista do MDB vá para as mãos de Moro

  • Por Jovem Pan
  • 18/04/2018 09h38
ReproduçãoAlexandre Baldy (esq.) aparece em foto tomando vinho ao lado do lobista Milton Lyra, mas nega a amizade

O vice-procurador-geral Humberto Medeiros pediu ao Supremo Tribunal Federal que as investigações sobre o lobista Milton Lyra sejam deslocadas para a Justiça Federal do Paraná.

O membro do Ministério Público Federal (MPF) argumenta que o subnúcleo do MDB no Senado, integrado por Renan Calheiros, Edison Lobão, Romero Jucá e Jader Barbalho, articulou-se no esquema de corrupção da Petrobras desde o início da “organização criminosa” ao lado do PT.

A informação foi dada primeiro pelo colunista do O Globo Lauro Jardim.

Os casos envolvendo os desvios na Petrobras estão sob os cuidados do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

O ministro Edson Fachin havia mandado para a Justiça de Brasília o caso de Lyra, que não tem foro privilegiado. Agora, ele ou a Segunda Turma do STF podem avaliar o novo pedido.

Alvo da Operação Rizoma na semana passada, Lyra é acusado de atuar no esquema de fraudes no fundo de pensão Postalis. Fundo dos Correios, o Postalis é o maior fundo de pensão brasileiro em número de participantes e responsável por administrar um patrimônio de R$ 8,77 bilhões.

A Serpro, empresa pública de tecnologia da informação, também integraria o esquema criminoso. A Operação Rizoma foi autorizada pelo juiz Marcelo Bretas, do Rio de Janeiro.

Anotações

Foram encontradas no celular do lobista anotações que sugerem repasses para o ministro das Cidades de Temer, Alexandre Baldy. Há também citações ao PMDB, PT, PDT e PP ao lado de números, além do senador Renan Calheiros (MDB), o ministro Moreira Franco, o ex-tesoureiro João Vaccari Neto e o ex-ministro Antonio Palocci.