PM impede invasão na São João, mas Frente de Luta por Moradia ocupa sete prédios em SP; veja

  • Por Estadão Conteúdo
  • 16/10/2017 10h16 - Atualizado em 16/10/2017 10h17
DARIO OLIVEIRA/ESTADÃO CONTEÚDOMilitantes da FLM (Frente de Luta pela Moradia) ocupam um prédio na rua João Bricola, no centro de São Paulo, onde funcionava a antiga Casa da Moeda

No início da madrugada desta segunda-feira, 16, a Polícia Militar reprimiu, com bombas de gás lacrimogêneo, uma invasão de famílias sem-teto a um imóvel na Avenida São João, nº 601. A ocupação fazia parte de uma série de invasões organizada pela Frente de Luta por Moradia (FLM), batizada de Outubro Vermelho, que tenta chamar atenção ao problema da falta de moradia na cidade. No total, 620 famílias participaram das ações, segundo o grupo.

Uma das coordenadoras, Ivaneti Araújo, foi levada para o 2º DP, junto com outras quatro pessoas, que prometeram lavrar boletins de ocorrência contra a ação policial. Um vídeo da ação policial circula pelas redes sociais.

“Nós, sem-teto, resolvemos guiar nosso destino pelas nossas mãos e pela nossa inteligência e ocupamos esses prédios e terras abandonadas de São Paulo. Vamos aqui organizar nossas vidas e fazer nossas casas”, diz um comunicado divulgado pelo grupo. Eles pedem que o poder público ceda os imóveis para as famílias sem-teto.

Outros sete imóveis foram ocupados nos seguintes endereços:

Rua João Bricola, 67 – Centro

Rua Bento Guelfi, altura do nº 5.900 – Jardim Três Marias – Zona Leste

Rua Guaporé, 462 – Armênia – Centro

Rua Rodolfo Miranda, 350 – Bom Retiro

Rua dos Bandeirantes, 285 – Bom Retiro

Rua Augusta, 440 – Bela Vista

Rua Amaral Gurgel, 344 – Vila Buarque

Segundo a FLM, a PM também os retirou do imóvel na Rua Amaral Gurgel, em frente ao Minhocão. Além disso, a polícia estaria esperando reforços para desocupar o imóvel na Rua Augusta. “Os imóveis foram desocupados por conta de grande aparato policial ameaçando e violando os direitos de cada sem-teto participante desta jornada”, diz o comunicado.