“Poderes Executivo e Legislativo estão de costas para a nação”, critica Reale Jr.

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2017 10h36 - Atualizado em 15/08/2017 10h37
Reale Jr. disse ainda que não existe boa corrupção ou corrupção conveniente para determinado instante: “corrupção é corrupção”

Signatário do impeachment de Dilma Rousseff e crítico ferrenho do Governo Temer após o surgimento da delação da JBS que levou a política brasileira de volta ao caos, o jurista Miguel Reale Jr. criticou os poderes Executivo e Legislativo de ignorarem a nação.

“O que ocorreu no Brasil não foi só essa movimentação da sociedade civil organizada. Os movimentos sociais, por meio de um novo ator políticos, que está nas redes sociais, movimentos que levaram à Avenida Paulista, à Praia de Boa Viagem. É o novo ator políticos que dá sustentáculo efetivo ao trabalho do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e da Justiça Federal. Mas o que verificamos, infelizmente, é que as instituições, o Poder Legislativo e Executivo, estão de costas para a nação”, bradou durante participação no Fórum Mitos & Fatos – Justiça Brasileira, realizado pela Jovem Pan nesta terça-feira (15).

O jurista afirmou que houve uma passagem durante a época do impeachment e que é preciso uma reorganização da sociedade. “Fortalecendo e mostrando ao Congresso que o Brasil existe para gritar contra o absurdo que está sendo feito de fundo eleitoral que toma R$ 3,6 bilhões, o distritão, vamos de boquiaberto ficar assistindo isso passar? Não!”.

Reale Jr. disse ainda que não existe boa corrupção ou corrupção conveniente para determinado instante: “corrupção é corrupção”.

Assista à participação de Reale Jr. no Fórum Mitos & Fatos: