Polícia Federal faz buscas nas casas de Cunha, Aníbal, Lobão e dois ministros

  • Por Jovem Pan
  • 15/12/2015 07h25

Em sentido horário Montagens sobre fotos/ Folhapress e Agência Brasil Em sentido horário

A Polícia Federal fez na manhã desta terça-feira (15) busca e apreensão na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e de outros políticos. A casa é um imóvel oficial da República e fica em região nobre do Lago Sul de Brasília, na chamada “península dos ministros”. Cerca de cinco veículos oficiais da polícia cercaram a residência no Distrito Federal, onde Cunha, que foi acordado por volta das 6h da manhã, esteve presente acompanhado os trabalhos policiais. Casas e escritórios de Cunha no Rio de Janeiro também foram objetos de escrutínio da Polícia. Denise Santos, chefe de gabinete da presidência da Câmara, é outro alvo de investigações.

Foram alvos de busca e apreensão PF ainda as casas de outros cinco peemedebistas de influência: os ministros Celso Pansera (Ciência e Tecnologia) e Henrique Eduardo Alves (Turismo), o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) e o senador e ex-ministro de Minas e Energia Edison Lobão (PMDB-MA). Também é investigado Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, a processadora de gás natural da Petrobras, e ex-deputado federal e ex-senador. O alvo principal da Polícia Federal é o PMDB, partido que teve sede em Alagoas investigada. Outros alvos das buscas são o senador Fernando Bezerra (PSB-PE), ex-ministro de integração, além dos deputados federais Eduardo da Fonte (PP-PE) e Aureo (SD-RJ) também foram investigados. O ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Fábio Ferreira Cleto, indicado por Cunha para o cargo, foi outro investigado.

Locais dentro da Câmara dos Deputados também sofreram busca e apreensão. A sala da Diretoria-Geral da Câmara dos Deputados foi vasculhada em busca de documentos. Outros policiais procuram provas no gabinete do deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE). Foram autorizadas apreensões de bens que possivelmente foram adquiridos pela prática criminosa. Os investigados respondem a crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa, entre outros. Há também a intenção de evitar que provas importantes sejam destruídas pelos investigados.

As ações são parte da Operação Catilinárias da PF, que cumpre 53 mandados em vários estados (9 no Distrito Federal, 15 em São Paulo, 14 no Rio de Janeiro, 6 no Pará, 4 em Pernambuco, 2 em Alagoas, 2 no Ceará e 1 no Rio Grande do Norte). O nome da Operação faz referência aos discursos do cônsul romano Cícero contra Lúcio Sérgio Catilina em 63 a.C., senador e militar romano célebre por tentar derrubar a República. Uma das falas de Cícero começa assim: “Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência? Por quanto tempo a tua loucura há de zombar de nós?” (veja mais abaixo).

A ordem das ações é do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, que é o encarregado de analisar os casos referentes à Operação Lava Jato. Na casa de Cunha, a PF busca documentos, requisições e está autorizada inclusive para vasculhar e-mails, podendo apreender computadores e dispositivos eletrônicos portáteis. Até o celular pessoal do presidente da Câmara foi confiscado. Ele utiliza muito o aparelho para trocas de mensagens. Até as 9h20 os policiais permaneciam na casa de Cunha.

Uma das causas das buscas na residência de Cunha é de que o presidente da Câmara faria chantagens a empresários. Por meio de deputados aliados, ele teria ameaçado realizar requerimentos de investigações a empresas. Apesar de apresentado por outras pessoas, os documentos seriam elaborados em seu gabinete.

Policiais em frente à casa de Cunha em Brasília (Augusto Dauster /Fotoarena/Folhapress)

Cunha já foi denunciado ao STF por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O Supremo, contudo, ainda não deu resposta se aceita ou não as denúncias contra Cunha, tornando réu o presidente da Câmara. As buscas por documentos visam a saber exatamente qual é a relação do presidente da Câmara com contas na Suíça em seu nome, de recursos de origem suspeita. Investigações dos ministérios públicos brasileiro e suíço indicam que Cunha seria abastecido com dinheiro de propina de obras da Petrobras. Segundo a Procuradoria-Geral, Cunha recebeu pelo menos US$ 5 milhões por contratos de aluguel de navios-sonda pela Petrobras.

Partidos pedem ao Ministério Público o afastamento de Cunha da presidência da Câmara. Nesta terça o Conselho de Ética se reúne novamente para analisar novo relatório sobre o caso. O julgamento do relatório anterior, de Fausto Pinato, afastado do cargo por ação de aliados de Cunha, já foi adiado oito vezes.

Se forem encontradas na casa de Eduardo Cunha de que ele está mesmo interferindo no processo contra ele, pode ser aberta uma nova ação do MP junto ao ministro do STF Teori Zavascki.

O presidente Renan Calheiros (PMDB-AL), em conversa informal com jornalistas, disse que se o presidente da Câmara continuasse com essa ação de impedir as investigações contra ele, Cunha poderia acabar preso.

Mais detalhes

Em Alagoas, os mandados foram realizados na sede da sigla no estado e na casa do primeiro tesoureiro do partido no estado, José Wanderley Neto. O prefeito de Nova Iguaçu e ex-deputado Nelson Bornier (PMDB), aliado de Cunha, também é alvo da ação. A Polícia Federal também cumpriu mandados no Ceará e no Rio de Janeiro em endereços relacionados ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

Término

As buscas na casa do presidente da Câmara terminaram no início da manhã, por volta das 11h20. Durante a ação, um chaveiro foi chamado para abrir um cofre. Ele ficou cerca de 20 minutos na residência de Cunha. Apesar de não ter dado detalhes sobre o serviço prestado, ele confirmou que abriu um cofre no local. O Comando de Operações Táticas da Polícia Federal chegou à residência oficial de Cunha, na Península dos Ministros, em Brasília, às 5h50, acompanhado de agentes da Polícia Legislativa. 

Outro lado

A assessoria de Cunha informou que o deputado está tranquilo, apesar do momento tenso e que ele deverá ir à Câmara após o almoço para participar da reunião de líderes, marcada para as 14h30. Ainda segundo a assessoria, Cunha está reunido, neste momento, com seus advogados.

O advogado de Edison Lobão, Antônio Carlos de Almeida Castro, disse à Agência Brasil que as buscas ocorrem na antiga residência do senador, da qual ele está se mudando, mas onde ainda se encontram a maioria de seus pertences. “Achamos a medida desnecessária, dado o constrangimento, mas é um direito do Ministério Público, que foi autorizado pelo Supremo [Tribunal Federal]”. De acordo com Almeida Castro, o senador Lobão está tranquilo. “O senador acompanha a medida sem nenhuma preocupação com o que vai ser apreendido.”

Veja trecho do discurso de Marco Túlio Cícero contra o senador Catilina:

“Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência?
Por quanto tempo a tua loucura há de zombar de nós?
A que extremos se há de precipitar a tua desenfreada audácia?
Nem a guarda do Palatino, nem a ronda noturna da cidade,
nem o temor do povo, nem a afluência de todos os homens de bem,
nem este local tão bem protegido para a reunião do Senado,
nem a expressão do voto destas pessoas, nada disto conseguiu perturbar-te?
Não te dás conta que os teus planos foram descobertos?
Não vês que a tua conspiração a têm já dominada todos estes que a conhecem?
Quem, dentre nós, pensas tu que ignora o que fizeste na noite passada e na precedente, onde estiveste, com quem te encontraste, que decisão tomaste?
Oh tempos, oh costumes!”

Com informações do repórter Jovem Pan em Brasília José Maria Trindade.

Informações complementares da Agência Brasil.