Por ‘impactar resultado eleitoral’, Moro adia interrogatório de Eduardo Cunha

  • Por Jovem Pan
  • 03/10/2018 13h32
José Cruz / Agência Brasil O emedebista foi acusado de pegar US$ 1,5 milhão em propinas

O juiz Sérgio Moro acatou um pedido requerido pela defesa e adiou o interrogatório do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) na Operação Lava Jato. Ele estava previsto para acontecer nesta quarta-feira (3) e foi reagendado para 31 de outubro.

Os advogados alegaram que o interrogatório poderia ser usado para prejudicar a campanha de filha de Cunha, Danielle Cunha, deputada federal pelo MDB.

“O interrogatório do ora defendente pode ser explorado politicamente, a impactar no resultado eleitoral pretendido por sua filha, pelo que o adiamento do referido ato processual se projeta até mesmo sobre direito fundamental à capacidade eleitoral passiva de sua descendente”, argumentou.

“Havendo decorrido o prazo de 15 dias para apresentação dos quesitos complementares, intime-se o Delegado da Polícia Federal Felipe Hideo Hayashi, pelo meio mais expedito, para que esclareça quanto à apresentação do laudo complementar”, afirmou Moro na decisão. “Diante da ausência do laudo complementar, redesigno os interrogatórios de Eduardo Cosentino da Cunha e Solange Pereira de Almeida para 31 de outubro de 2018, às 14h”.

Cunha já foi condenado por Moro em outro processo da Lava Jato. O emedebista foi acusado de pegar US$ 1,5 milhão em propinas na compra do campo petrolífero de Benin, na África, pela Petrobras, em 2011, e pegou 15 anos e 4 meses de prisão por corrupção, de lavagem e de evasão fraudulenta de divisas.

*Com informações do Estadão Conteúdo