Porta-voz confirma viagem de Bolsonaro à assembleia da ONU: ‘Não há mais dúvida’

  • Por Jovem Pan
  • 18/09/2019 20h27
Wilson Dias/Agência BrasilPorta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros

Segundo o porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, a ida do presidente Jair Bolsonaro à 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas no próximo dia 24 de setembro, em Nova York, Estados Unidos, está confirmada. Até a última terça-feira (17), a viagem estava condicionada ao aval da equipe médica.

“Hoje, o sentimento, a partir das análises da equipe médica do presidente, é de que não há mais dúvida com relação à confirmação da ida dele a Nova York”, disse nesta quarta (18).

A previsão é que o presidente faça exames no início da manhã de sexta (20) e seja avaliado, em seguida, pelo médico Antonio Macedo, responsável por suas últimas três cirurgias. Os procedimentos ocorrerão no Hospital DF Star, em Brasília, filial do mesmo hospital que o presidente ficou internado nos últimos dias, o Vila Nova Star, na capital paulista.

O Palácio do Planalto também informou sobre uma alteração na agenda de viagem. A escala no estado norte-americano do Texas, que estava programada para o dia 25, durante o retorno ao Brasil, foi cancelada. O presidente se reuniria, na cidade de Dallas, com empresários do setor de tecnologia. Em Nova York, aonde chega no dia 23, Bolsonaro tem encontro confirmado com o secretário-geral da ONU, António Gutérrez. Não estão previstos encontros bilaterais com outros chefes de Estado.

Discurso “de coração”

De acordo com o porta-voz, o presidente está acertando os últimos detalhes do discurso que pretende fazer na assembleia. Um dos objetivos dessa fala será desconstruir a imagem do país no exterior, após a repercussão negativa dos incêndios na Floresta Amazônica.

“É um discurso de coração, onde ele vai defender as potencialidades do país e vai fazer uma defesa enfática daquilo que nós estamos realizando no tocante à questão do meio ambiente, ligada ao desenvolvimento sustentável, um pouco para desconstruir essa narrativa, particularmente no ambiente externo, de o Brasil não cuida da Amazônia, não cuida do meio ambiente, não está muito interessado nisso”, afirmou Rêgo Barros.

*Com Agência Brasil