Possibilidade de proibir pesquisas é criticada por cientistas políticos

  • Por Jovem Pan
  • 23/10/2014 09h50

A possibilidade de proibir pesquisas é criticada por cientistas políticos que defendem mudanças nos critérios dos institutos. Na avaliação de especialistas, os levantamentos deveriam ser feitos apenas em domicílio e de forma espontânea, quando o entrevistado menciona o candidato.

O presidente do TSE, Dias Toffoli, admitiu discutir as alterações, enquanto que no Congresso tramitam propostas que vetam a divulgação perto do pleito. O diretor do núcleo de pesquisa pública da USP, José Álvaro Moisés, analisou que se a mostragem for bem feita não existe erro, mas um registro da tendência.

*Ouça os detalhes no áudio

Moisés afirmou que a pesquisa faz parte do jogo democrático e é contra o veto antes da eleição. Falando a Thiago Uberreich, o cientista político da Fundação Getúlio Vargas, Francisco Fonseca, defendeu o levantamento espontâneo feito nos domicílios.

Fonseca acrescentou que a pesquisa não espontânea pode induzir quem está indeciso. Ele lembra que, em países como a França, os levantamentos são proibidos semanas antes das eleições.