Prefeito de Florianópolis estende quarentena até 8 de abril

  • Por Jovem Pan
  • 27/03/2020 18h21 - Atualizado em 27/03/2020 18h25
ReproduçãoO prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), informou nesta sexta-feira que a quarentena na cidade será estendida até 8 de abril. Em um pronunciamento divulgado em seu canal no Youtube, Loureiro afirmou estar ciente que “muitos não concordarão” com a medida, mas considera que é sua responsabilidade zelar pela vida dos mais de 500 mil habitantes da cidade de Santa Catarina.

“É claro que sei que ao mesmo tempo que devemos proteger as pessoas, é fundamental garantir que todos estejam empregados, alimentados e em paz. Mas nesse exato momento, dia 27 de março, essa equação não tem solução. Precisamos escolher uma prioridade, e nós escolhemos a vida”, declarou.

De acordo com o prefeito, a equipe de saúde da cidade estuda a pandemia desde o seu início, razão pela qual a administração municipal se adiantou e antecipou o isolamento social, estratégia, que segundo ele, surtiu efeito em outros países do mundo. “Todos sabemos que somente o isolamento não é a cura para o mal que nos assola. Precisamos vencer esse vírus com estratégia, e nesse momento, suspender a quarentena não é a melhor estratégia a adotar. Não só pelos números que temos, mas pelo que o mundo já mostrou”, disse.

Loureiro usou Milão como exemplo para ressaltar a importância do isolamento. Há cerca de um mês, a cidade não registrava nenhuma morte, e iniciou um movimento em prol da economia intitulado “Milão Não Para”. “As pessoas saíram as rus, encheram shoppings, academias, bares e transporte público. O resultado foi trágico. Até o dia de hoje, mais de 4,4 mil já morreram por conta do covid-19, apenas na cidade. metade das mortes de toda a Itália. E agora? Quem vai repor essas vidas? Como deter a epidemia quando se perde o controle dessa forma?”, questionou.

Ele diz entender que a população pode não gostar da medida, mas se mostrou firme quanto a decisão de não permitir que transporte coletivo, escolas, comércios, shoppings, bares e restaurantes funcionem antes da data prevista. O decreto deve ser publicado na próxima edição do Diário Oficial.

“Peço desculpas a aqueles que não concordarem comigo, mas entre o achismo e a certeza da ciência, eu fico do lado da minha equipe médica, e ao lado de cada família que está se sacrificando por um bem maior, a vida de todos. Se daqui a algum tempo, disserem que eu e o mundo estávamos errados, paciência. Ficarei feliz em saber que vocês estão aí, com saúde, para poder me criticar a vontade. E isso me basta. Fique em casa.”