Prefeitura diz que Ponte do Jaguaré ficará fechada pelo menos até segunda

  • Por Jovem Pan
  • 21/06/2019 19h53
ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOO Corpo de Bombeiros fez o rescaldo e apagou pequenos focos de chamas na região. Por volta das 8 horas, a corporação informou que o fogo estava controlado

A Prefeitura de São Paulo anunciou, nesta sexta (21), que a Ponte do Jaguaré permanecerá fechada até ao menos a próxima segunda (24), quando será feita uma vistoria para definir se a via poderá ou não ser aberta imediatamente.

De acordo com o prefeito Bruno Covas (PSDB), a pista local será liberada ainda na noite desta sexta-feira e existe um estudo para pedestres e bicicletas utilizarem a ponte a partir deste sábado (22).

Um incêndio atingiu a parte inferior da ponte, na Marginal do Pinheiros, no sentido de Interlagos, na manhã desta sexta. De acordo com a Defesa Civil, cerca de 50 famílias (150 pessoas) que moravam em barracos de madeira tiveram de deixar o local.

O Corpo de Bombeiros fez o rescaldo e apagou pequenos focos de chamas na região. Por volta das 8 horas, a corporação informou que o fogo estava controlado. Nas imagens, era possível observar madeiras e até veículos antigos queimados.

O prefeito admitiu que a vistoria que ele iria fazer à ponte foi cancelada por motivos de segurança. As famílias que estão no local se recusam a sair e reclamam do tratamento dado pela Prefeitura. “Há 2 anos aconteceu um incêndio igual a esse. Vieram aqui, prometeram aluguel social, mas nada foi resolvido. Só vamos sair daqui quando o prefeito vier falar com a gente. Do contrário, vamos fechar a marginal”, disse o morador Alexandre Pacheco, 46 anos.

O prefeito disse que todos os abrigos (103) estão disponíveis às famílias – inclusive um localizado na Lapa, nas proximidades da ponte. Ainda segundo Covas, todos serão incluídos no auxílio aluguel.

A ocupação debaixo da ponte do Jaguaré existe há mais de 10 anos. No total, de acordo com a prefeitura, existem mais de 130 mil famílias na fila da Cohab. Além disso, cerca de 800 famílias viveriam embaixo de pontes ou viadutos.

Covas afirmou que uma vistoria realizada na ponte no último mês de fevereiro não apontou para qualquer necessidade emergencial de obras no local – e que não havia indícios de perigo de incêndio. A ponte também já constava na lista, de 2007, das 73 obras que precisavam de um laudo estrutural.

As causas do acidente serão apuradas. A ponte do Jaguaré fica localizada perto da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), na zona oeste da cidade.

Em novembro do ano passado, um viaduto cedeu e causou a interdição do trânsito em trecho da pista expressa da Marginal do Pinheiros, perto do Parque Villa-Lobos e da Ponte do Jaguaré. Pelo menos cinco carros passavam pela via, mas não houve feridos graves.

Em seguida, a Prefeitura avaliou outras pontes e constatou a necessidade de manutenção.

Ainda em novembro, a CET interditou parcialmente a ponte do Limão, no sentido bairro, e as alças de acesso da Marginal do Tietê, na zona norte paulistana, para realizar manutenção. O bloqueio foi mantido por quase um mês.

Em fevereiro deste ano, mais uma estrutura viária da capital paulista teve interdição, desta vez parcial, determinada pela prefeitura após constatação de falta de segurança. A ponte da Freguesia do Ó, que passa sobre a Marginal do Tietê, na zona norte de São Paulo, ficou bloqueada para a realização de obras.

Na última segunda-feira, 17, o viaduto da Marginal Tietê que dá acesso à Rodovia Presidente Dutra foi reaberto pelo prefeito Bruno Covas. A via estava interditada desde o dia 23 de janeiro, quando foi constatado o rompimento de uma viga.

Estadão Conteúdo