Procuradoria pede esclarecimentos da Justiça sobre nomeação de Eduardo para embaixada

Parlamentar é filho do presidente da República e foi indicado pelo próprio pai para o cargo de diplomata nos EUA

  • Por Jovem Pan
  • 12/08/2019 14h32
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O Ministério Público Federal no Distrito Federal entrou com uma ação civil pública contra a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) à embaixada brasileira nos EUA. O parlamentar é filho do presidente da República e conta com o apoio do pai para ser nomeado.

O pedido do MP é de que a União seja obrigada a observar uma série de critérios em indicações a cargos de embaixador que recaiam em escolhidos de fora da carreira diplomática. A Procuradoria pediu ainda que o governo seja obrigado a revogar ou sustar trâmites praticados “em desconformidade com tais determinações”.

As exigências que o Ministério Público pede que sejam observadas são o reconhecido mérito em atividades diplomáticas dos indicados, relevantes serviços diplomáticos prestados pelos mesmos ao país e ao menos três anos de experiência de tais atividades.

Em seu despacho sobre a ação, a juíza Flávia de Macêdo Nolasco indicou que a análise dos critérios jurídicos postos para a nomeação de agentes do Estado pode ser efetivada pelo Judiciário, mas ressaltou que a atuação do Poder, “especificamente da primeira instância, está voltada para os atos concretos eventualmente ilegais ou inconstitucionais”.

“Acaso posto um caso concreto no qual entenda não terem sido observados os diplomas legais e as disposições constitucionais, aí sim, permitir-se-ia a cognição pelo juiz de primeiro grau. O controle dos atos estatais pelo juiz pode ser feito com base em lei ou na constituição portanto. Entretanto, há critérios de definição de competência para cada cognição, bem como a definição dos instrumentos adequados para cada mister”, afirmou

Na decisão, a magistrada cita que a ação civil pública objetiva “obter declaração da inconstitucionalidade dos critérios elencados em lei federal para nomeação, fora do corpo diplomático, de chefe de missão permanente no exterior, restringindo a interpretação possível do dispositivo apenas à que entende correta”.

Segundo Flávia, pode haver inadequação da via eleita, “pois se busca o mesmo objetivo a ser veiculado em ação de controle concentrado de constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal”.

Na última sexta (9), o partido Cidadania (antigo PPS), já havia pedido ao Supremo Tribunal Federal que barrasse a indicação de Eduardo à Embaixada do Brasil nos Estados Unidos. A sigla afirma que o ato seria “flagrante nepotismo”, já que o parlamentar não seria “qualificado” ao cargo.

A legenda afirma que há “patente inexperiência e ausência de qualificação profissional para a assunção do cargo em questão”. “Antes do desafio de assumir a Embaixada do Brasil, os anteriores ocupantes do cargo exerciam funções relacionadas à diplomacia há anos”.

A indicação

O Ministério das Relações Exteriores recebeu o aval oficial dos Estados Unidos para que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) seja embaixador do Brasil em Washington.

Agora, o presidente Jair Bolsonaro poderá formalizar a indicação no Diário Oficial da União (DOU) e encaminhar o nome ao Senado, que precisa aprovar Eduardo para a embaixada. Bolsonaro já disse que só estava esperando a resposta dos Estados Unidos para encaminhar o nome do filho ao senadores.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou no último dia 30 que considera o Eduardo “um jovem brilhante” e que está “muito feliz pela indicação” do parlamentar para assumir a embaixada do Brasil em Washington.

No dia 18, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a indicação de seu Eduardo em sua live semanal no Facebook, quando rebateu as acusações de que estava favorecendo o filho.

“Pretendo beneficiar filho meu, sim. Se eu puder dar um filé mignon para o meu filho, eu dou, mas não tem nada a ver com o filé mignon essa história aí. É aprofundar o relacionamento com a maior potência do mundo”, afirmou o presidente.

Há um mês, Eduardo afirmou que é cotado ao cargo diplomático por sua experiência. Na ocasião, o deputado destacou sua atuação na presidência da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e o fato de ter feito intercâmbio e até mesmo fritado hambúrguer nos Estados Unidos.

Com Estadão Conteúdo