Professor da Unicamp recebe mensagem com ataques: ‘Lugar de preto e viado não é em sala de aula’

  • Por Jovem Pan
  • 20/09/2018 16h19 - Atualizado em 20/09/2018 16h38
Reprodução/FacebookImagem aérea da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Um professor de Língua Portuguesa do Colégio Técnico de Campinas (Cotuca) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior de São Paulo, denunciou um ataque racista e homofóbico que sofreu recentemente em seu ambiente de trabalho. De acordo com ele, encontrou uma mensagem dentro de seu armário que dizia: “Caro professor, fica a dica: você é preto e viado, seu lugar não é na sala de aula”.

E ao que tudo indica isso não é novidade por lá. Segundo relatos de estudantes feitos nas redes sociais, o docente tem recebido esse tipo de ofensa já há algumas semanas.

Em nota, a instituição afirmou que abriu uma investigação interna. “Atos dessa natureza são incompatíveis e absolutamente inaceitáveis no âmbito de uma comunidade que preza pela democracia, a diversidade e a convivência respeitosa entre seus integrantes”, alegou.

Confira aqui a íntegra do comunicado:

Nota de repúdio às ofensas racistas e homofóbicas no Cotuca

A Reitoria da Unicamp condena com veemência a mensagem com ofensas racistas e homofóbicas deixada no escaninho de um professor do Colégio Técnico da Unicamp (Cotuca) nesta quarta-feira (19).

Atos dessa natureza são incompatíveis e absolutamente inaceitáveis no âmbito de uma comunidade que preza pela democracia, a diversidade e a convivência respeitosa entre seus integrantes.

A Reitoria da Unicamp e a Direção do Cotuca tomarão todas as providências para apurar o fato, identificar o autor desse ato deplorável e aplicar as medidas cabíveis.

A Direção do Cotuca determinou a abertura de sindicância interna e um boletim de ocorrência será registrado pelo professor vítima das ofensas.

Ainda na quarta-feira (19), a Direção do Cotuca manifestou integral solidariedade ao professor, reiterando os esforços para uma convivência que respeite a pluralidade e a diversidade em todos os aspectos.

Em sua manifestação, a Direção do Cotuca também esclarece que, a partir desse lamentável caso, um conjunto de ações de formação será intensificado pela Comissão Cidadã do Colégio, que conta com participação dos alunos, funcionários e professores.

Já nesta quinta-feira (20) foi agendada uma reunião emergencial com a Comissão Cidadã, Grêmio e Coletivos para definição de ações educativas, envolvendo toda a comunidade bem como as estratégias para a Escola Aberta, trazendo claramente a posição institucional contra toda sorte de discriminação e desrespeito aos Direitos Humanos.

Secretaria de Comunicação da Unicamp

*Com informações do Estadão Conteúdo