Raquel Dodge pede que o STF ‘dê preferência’ à extradição de Cesare Battisti

  • Por Jovem Pan
  • 05/11/2018 17h47 - Atualizado em 05/11/2018 17h54
FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOCesare Battisti está no Brasil desde 2004 se extraditado pode pegar prisão perpétua na Itália

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que dê preferencia ao julgamento do processo de uma possível extradição do italiano Cesare Battisti.

Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália pelos crimes de terrorismo e quatro assassinatos cometidos quando era ativista do Partido Proletariado Comunista. Ele viveu como fugitivo por trinta anos, antes de chegar em 2004 ao Brasil. O governo italiano pediu a extradição do ex-ativista, aceita pelo Supremo, mas negada pelo ex-presidente Lula, em dezembro de 2010, como sua última decisão como presidente da república.

O presidente Michel Temer, no ano passado, estava discutindo uma possível abertura para um processo administrativo para uma revisão da negativa de extradição, mas a defesa de Battisti entrou com um pedido no STF para que fosse afirmada a impossibilidade de revisão da decisão, segundo eles, pelo princípio da segurança jurídica, a decisão de Lula é “insindicável”. O processo é relatado pelo ministro Luiz Fux, que deve decidir se leva o assunto ao plenário do STF.

Nesta segunda-feira (05) o presidente eleito, Jair Bolsonaro se encontrou com o embaixador da Itália no Brasil, Antonio Bernardini, com quem disse ter discutido a situação de Cesare Battisti. A extradição do italiano foi uma das promessas de governo de Bolsonaro durante a campanha presidencial.

“O caso Batistti é muito claro. A Itália está pedindo a extradição. O caso está sendo discutido agora no Supremo Tribunal Federal. Esperamos que o Supremo tome uma decisão no tempo mais curto possível”, disse o embaixador após o encontro.

 

*Com informações da Agência Brasil