PGR solicita abertura de inquérito para apurar invasão a celular de conselheiro

  • Por Jovem Pan
  • 12/06/2019 18h51 - Atualizado em 12/06/2019 19h13
Agência BrasilRaquel Dodge pode ser uma das participantes do grupo de mensagens do CNMP que foi invadido

A presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou nesta quarta-feira (12) um ofício ao diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo, solicitando a instauração de inquérito policial para apurar a invasão à conta do Telegram no celular utilizado pelo conselheiro Marcelo Weitzel.

Segundo fontes, Dodge pode ser uma das participantes do grupo de mensagens do CNMP que foi invadido. Ela preside o colegiado, que usa o chat de forma institucional, para agendamento de datas de julgamentos ou troca de opiniões.

Na noite desta terça (11), mensagens supostamente escritas por um hacker chamaram a atenção dos procuradores do grupo. Um dos torpedos dizia que o caso revelado no domingo (9) pelo site The Intercept Brasil, envolvendo o ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol, era apenas “uma amostra do que vocês vão ver na semana que vem”.

As mensagens foram disparadas do celular do conselheiro Marcelo Weitzel Rabello de Souza. Os colegas estranharam o tom dos torpedos e começaram a questionar o conselheiro no grupo. Na sequência, receberam outro torpedo dizendo: “Aqui é o hacker”. Os conselheiros então ligaram para Souza, que argumentou que não estava usando o aparelho no momento.