Relatório da Polícia Federal sobre morte de Marielle não aponta vínculo entre família Brazão e delegado

Novas evidências destacam a origem do veículo clonado usado no crime e um possível local de descarte das munições, além da conexão de Domingos Brazão com a milícia

  • Por Jovem Pan
  • 26/03/2024 07h58 - Atualizado em 26/03/2024 08h52
WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ), um dos suspeitos de mandar matar a vereadora Marielle Franco, desembarca de avião da Polícia Federal no hangar da PF no Aeroporto de Brasília Domingos Brazão, um dos suspeitos de mandar matar a vereadora Marielle Franco, desembarca no hangar da PF no Aeroporto de Brasília

A Polícia Federal divulgou um relatório que não apresenta provas concretas sobre os encontros entre os irmãos Domingos e Chiquinho Brazão e o ex-PM Ronnie Lessa, acusado de ser o executor do assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes. As novas evidências apontam a origem do veículo clonado usado no crime e um possível local de descarte das munições. No entanto, não estabelecem uma ligação direta entre a família Brazão e o delegado Rivaldo Barbosa, suspeito de participar da preparação do homicídio. Os irmãos Brazão, juntamente com Barbosa, foram presos sob a suspeita de serem os mandantes do crime. O relatório da PF destaca as tentativas frustradas de corroborar a colaboração do ex-PM com provas independentes.

cta_logo_jp
Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

A PF reconhece as dificuldades em comprovar os relatos de Lessa devido ao tempo decorrido desde o crime e ao possível envolvimento de agentes de segurança na obstrução das investigações. O relatório destaca a trajetória política controversa de Domingos Brazão, suas conexões com milicianos e a complexa rede de empresas da família. Além disso, menciona os encontros intermediados por Edmilson de Oliveira, o Macalé, sem provas independentes que os confirmem. A origem do veículo utilizado no crime foi uma das poucas informações corroboradas com prova independente, assim como a movimentação financeira atípica de Rivaldo e sua esposa. No entanto, o relatório não aponta vínculos entre o delegado e a família Brazão. A PF utiliza dados de uma investigação em curso do Ministério Público do Rio de Janeiro para reforçar o possível envolvimento de Rivaldo em interferências em investigações envolvendo bicheiros e milicianos.

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.