Após reunião com Bolsonaro, Decotelli nega plágio e diz que continua ministro

Desde que foi anunciado para a vaga deixada por Abraham Weintraub, o currículo de Carlos Alberto Decotelli vem sendo questionado

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2020 20h22 - Atualizado em 30/06/2020 08h05
Luis Fortes/MECCarlos Alberto Decotelli

O ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, afirmou nesta segunda-feira (29) que continua no cargo e que se encontrou com o presidente Jair Bolsonaro no início da noite.

Em entrevista na porta do Ministério da Educação, Decotelli também negou o plágio na dissertação de mestrado. Ele foi anunciado para a vaga de Abraham Weintraub na última semana e era considerado uma nome técnico para o cargo. “Sou ministro. Tenho trabalho e fico até a noite para corrigir os ajustes do Enem e Sisu. As demandas estão todas lá”, disse Decotelli.

Desde sua nomeação, surgiram polêmicas em torno de sua formação acadêmica incluindo uma denúncia de plágio em dissertação de mestrado da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o título de doutorado na Argentina, que não possuo e, nesta segunda, a universidade alemã onde o ministro alegava ter feito pós-doutorado afirmou que o trabalho não foi realizado na instituição.

Sobre as inconsistências em seu currículo, Decotelli alegou que “não tem arrependimentos” e que “são apenas correções relacionadas ao texto”. Nesta segunda, o governo decidiu adiar a cerimônia de posse de Decotelli, que estava prevista para esta terça. Ainda não se sabe qual será a nova data.