Em live, Roberto Jefferson diz que Maia prepara golpe para derrubar Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 19/04/2020 21h48 - Atualizado em 20/04/2020 08h17
Pablo Valadares/Câmara dos DeputadosO deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) fez acusações contra o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)

O deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) afirmou, em live na internet na noite deste domingo (19), que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), prepara um golpe contra o presidente Jair Bolsonaro.

Segundo Jefferson, Maia já encomendou um pedido de impeachment ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, contra o presidente da República.

“Há um projeto em curso para tentar impedir o presidente Bolsonaro”, denunciou o parlamentar. “O pedido de impeachment fica na gaveta aguardando um momento oportuno”, continuou.

Ele afirmou que a justificativa do pedido seria a ingovernabilidade do presidente. “Quando a pauta do Congresso Nacional não é do governo, o presidente está ingovernável. A ingovernabilidade é motivo para pedido de impeachment”, explicou.

Roberto Jefferson disse que, para justificar o impeachment, Rodrigo Maia está colocando as próprias pautas a frente das pautas do governo na Câmara. “O Rodrigo Maia e o [Davi] Alcolumbre [presidente do Senado], liderado pelo Maia, vêm tomando a agenda política das mãos do presidente Bolsonaro.”

Reeleição

O deputado ainda denunciou uma suposta tentativa de golpe de Rodrigo Maia para permanecer na presidência na Câmara. O mandato do carioca acaba em fevereiro e ele não pode concorrer à reeleição.

Segundo Jefferson, Maia fez um movimento para resgatar a PEC 101, de 2003, que permite que um deputado presida a Casa mais de uma vez na mesma legislatura. A proposta já passou pelas comissões e está pronta para ir ao plenário. “Há pressão dentro da Câmara pela reeleição”, disse o congressista.

O parlamentar disse que Maia está fechando um acordo com a oposição e conduzirá o impeachment de Bolsonaro em troca da reeleição. “Esse escândalo, essa violência institucional, está para ser praticada a qualquer momento”, alertou. “O presidente tem que agir imediatamente.”