São Paulo recebe a primeira Bienal do Lixo a partir do dia 26

Evento será realizado até 5 de junho, no Parque Villa-Lobos, e reunirá exposição de artes produzidas com material de descarte, mostra de cinema e painéis de diálogos

  • Por Jovem Pan
  • 09/05/2022 16h50 - Atualizado em 10/05/2022 14h32
Divulgação Obra de arte retratando uma arara Obra do artista Jota Azevedo, que participará da Bienal do Lixo

Famosa pela diversidade de mostras, feiras, festivais e e outros tipos de ações culturais que recebe ao longo do ano, a cidade de São Paulo sediará um evento singular neste mês. Entre 26 de maio e 5 de junho, será realizada no Parque Villa Lobos, zona oeste da capital paulista, a Bienal do Lixo, um projeto cultural que tem a arte como meio de dialogar as relações do homem com o meio ambiente. O local reunirá obras de arte feitas a partir de material de descarte, intervenções artísticas, oficinas, mostra de cinema, palestras e painéis sobre o tema. A entrada é gratuita, e o local é acessível para pessoas com deficiência. A Jovem Pan News apoia o evento e é a emissora oficial da Bienal.

Inspirada em uma corrente artística mundial inovadora que foi impulsionada pelos problemas ambientais da atualidade, a Bienal do Lixo não se limita apenas em incluir o meio ambiente em suas criações, mas o converte na própria obra para promover a conscientização sobre a preservação do planeta. O evento é realizado pela Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo juntamente com as agências culturais La Mela e Usina, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

O evento ocupará uma área de 3 mil m² no Parque Villa-Lobos, onde serão instaladas obras de artistas que têm o material de descarte como base para seu trabalho criativo e cujas obras são exemplos de transformação. Nesta área também serão montados seis domos de 78 m² cada, onde serão exploradas todas as vertentes sobre o tema. Dentre os artistas escolhidos para apresentar obras sobre o tema estão Bordalo II, Ca Cau, Jota Azevedo, Carmem Seibert, Jorge Solyano, Rafael Zaca, Valter Nu, Leo Piló, Afonso Campos, Ubiratan Fernandes e Luê Andradde.

Obra de Jota Azevedo (Divulgação)

Outras atividades, como oficinas artísticas e painéis de diálogos, nos quais empresas e organizações apresentarão ao público como elas  investem em novos processos e modelos de negócios sustentáveis para reduzir o impacto ambiental, também fazem parte da programação. Além disso, uma Mostra de Cinema exibirá filmes sobre arte, meio ambiente e sustentabilidade. As produções serão exibidas na biblioteca do parque.

Segundo Rita Reis, diretora-executiva da Bienal do Lixo, a proposta é promover, por meio da arte e da cultura, novos olhares e abordagens sobre os principais desafios para a preservação ambiental, ampliando os diálogos junto à sociedade e todos os setores: público, privado e instituições não governamentais. “E compartilhar experiências e ações que já estão sendo implementadas com resultados positivos”, diz. Além do evento no parque, a bienal executará uma contrapartida social para a comunidade: um ciclo de oficinas e palestras de “Arte pela Consciência” em escolas públicas da capital paulista, para estudantes e professores. No total, serão 16 oficinas e 8 palestras, incluindo escolas de educação especial.

“Acreditamos que a arte tem o poder de impactar as pessoas, promover a reflexão e levar a uma transformação íntima, a mudanças de hábitos que, muitas vezes, nem são percebidas no dia a dia, mas que impactam diretamente no meio ambiente. É verdadeira a história de que se cada um fizer a sua parte, o mundo ficará melhor”, afirma Mário Farias, diretor de novos negócios da Bienal do Lixo.

Serviço

Data/Horário: 26 de maio, das 17h30 às 22h; 27 de maio a 5 de junho, das 10h às 18h
Local: Parque Villa-Lobos
Endereço: Av. Professor Fonseca Rodrigues, 2.001, Alto dos Pinheiros – São Paulo (SP)
Site: www.bienaldolixo.com.br
Redes sociais: Facebook: @bienaldolixo; Instagram: @bienaldolixo