MPF denuncia Sara Winter por ameaças contra Alexandre de Moraes

  • Por Jovem Pan
  • 17/06/2020 10h16 - Atualizado em 17/06/2020 10h21
FREDERICO BRASIL/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOSara Winter é alvo de denúncia do MPF

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou nesta terça-feira (16) a ativista Sara Fernanda Giromini, mais conhecida como Sara Winter, por ameaças e injúria contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Chefe do grupo 300 do Brasil, que passou semanas acampado em Brasília, ela está presa desde segunda-feira (15) acusada de financiar de atos antidemocráticos.

Uma das bases da denúncia do MPF é um vídeo que Sara divulgou nas redes sociais pouco depois de ser alvo de uma operação no âmbito do inquérito das fake news, que corre no Supremo. Nas imagens, ela ataca Alexandre de Moraes e chega a dizer que queria “trocar socos” com o ministro.

O MPF, no entanto, destacou que Sara não afrontou a Lei de Segurança Nacional. O procurador da República Frederick Lustosa defendeu que não houve lesão real ou potencial dos bens protegidos pela norma e a acusada não impediu de fato o livre exercício da judicatura do ministro, nem da Suprema Corte de maneira geral.

Lustosa ainda lembrou de uma manifestação capitaneada pela ativista em que o grupo 300 do Brasil usou tochas e capuzes em frente ao STF. Ele disse que o protesto está inserido no contexto da liberdade de expressão.

A denúncia foi enviada à 15ª Vara de Justiça Federal. Caso condenada, Sara Giromini será obrigada a reparar Alexandre de Moraes em valor mínimo de R$10 mil por danos morais. O MPF ressalta que quanto a eventual pedido de prisão preventiva, não foram verificados requisitos jurídicos que o justificasse no âmbito da investigação.