Se o PT está reclamando, fiz a coisa certa, diz Bolsonaro sobre indicação de Moro

  • Por Jovem Pan
  • 01/11/2018 17h46 - Atualizado em 01/11/2018 17h54
Tânia Rêgo/Agência BrasilBolsonaro disse que membro do governo acusado de crimes "vai pro pau"

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) concedeu entrevista coletiva no final da tarde desta quinta-feira (01) para comentar a indicação do juiz federal Sérgio Moro ao ministério da Justiça.

“Nós conversamos por 40 minutos. Ele [Moro] queria uma liberdade total para combater a corrupção e o crime organizado. Dei o sinal verde e ele, via nota, aceitou o convite”, disse Bolsonaro, que não acredita que o trabalho da Operação Lava Jato fique comprometido com a saída do juiz. “Ela [a substituta atual é Gabriela Hardt] vai fazer um trabalho semelhante ao dele.”

A indicação de Sérgio Moro é para o superministério que unirá as pastas de Justiça e Segurança Pública. Nas redes sociais, a oposição ao futuro governo reagiu. O deputado federal Paulo Teixeira (PT), inclusive, aproveitou para pedir que a condenação do ex-presidente Lula seja anulada, sob a justificativa de que “as razões da prisão sem provas foram escancaradas”.

Segundo Bolsonaro, as criticas petistas ajudam a confirmar a certeza de sua indicação. “Se o PT está reclamando, fiz a coisa coisa certa”, disse.

Durante reunião com a imprensa em sua casa, no Rio de Janeiro, Bolsonaro destacou sua vontade de ter o juiz “ad eternum” (eternamente) no ministério. “A decisão dele é difícil, vai abrir mão da carreira para enfrentar um desafio. Eu chamo ele de soldado, [porque] está indo à guerra sem medo de morrer”, destacou. “A defesa da Lava Jato me ajudou a crescer politicamente.”

Eleito no domingo (28), o novo presidente declarou ainda que se algum membro do governo for acusado de corrupção, “vai para o pau”, ou seja, será investigado e punido. “Qualquer pessoa que por ventura apareça nos noticiários [acusada de corrupção] vai ser investigada e não haverá interferência por parte da minha pessoa”, prometeu.